O que era para ser apenas um procedimento estético, visando a redução de mamas, terminou em tragédia na manhã desta segunda-feira (16) em uma clínica estética no bairro Barro Preto, na região Centro-Sul de Belo Horizonte. Adriane Zulmira do Nascimento, de 48 anos, passou mal e morreu durante a cirurgia. 

As informações iniciais da Polícia Militar (PM) indicam que a corporação foi acionada no fim da manhã para ir até a clínica. Segundo o relato de familiares da vítima, ela se internou no local nesta segunda-feira e, conforme repassado pelos médicos responsáveis, teria sofrido um aumento de pressão. A mulher não resistiu e faleceu no local. 

morte em clínica
Adriane estava juntando dinheiro há um ano para poder fazer o procedimento cirúrgico desta segunda-feira

Perícia e rabecão da Polícia Civil (PC) foram acionados para fazerem, respectivamente, os levantamentos iniciais e a remoção do corpo de Adriane. 

O Hoje em Dia tentou contato por telefone com a clínica, mas, até o momento, ninguém foi localizado para falar sobre o ocorrido.

Já a assessoria de imprensa da PC informou que um inquérito já foi instaurado e irá apurar as circunstâncias e eventual responsabilidade sobre o óbito. "A perícia técnica esteve no local e liberou o corpo, que foi encaminhado ao Instituto Médico-Legal (IML). 

Família busca  respostas

A reportagem conversou com uma sobrinha de Adriane, uma jovem de 24 anos que preferiu não ser identificada. Ela conta que a tia estava com a cirurgia marcada há algum tempo, sendo que o procedimnto foi feito sob recomendação médica, uma vez que o tamanho das mamas já estaria causando problemas na coluna. 

"Ela chegou lá cedinho e, mais tarde, ligaram da clínica para a casa da minha avó, pedindo para algum familiar comparecer, pois teria havido uma complicação. Chegamos lá e o médico só disse que tinha sido uma fatalidade e o anestesista disse que fizeram tudo o que tinha para ser feito. Disseram que havia duas coisas que podiam ser feitas: a primeira, que era ele determinar a causa da morte como indefinida e, a segunda, que era acionar o IML. Mas ele fez questão de destacar que o segundo seria bem mais demorado", lembra a jovem. 

Ainda de acordo com a sobrinha, Adriane trabalhava como professora em uma creche do bairro São Paulo, na região Nordeste de BH. Ela morava com a mãe, era solteira e não tinha filhos. Além disso, estava juntando dinheiro há mais de um ano para pagar pela cirurgia. "Agora o que queremos é só ter uma resposta sobre o que aconteceu. Já estamos no IML para aguardar a conclusão do laudo". 

Conselho de Medicina apura circunstâncias da morte 

Ainda nesta segunda-feira, o Conselho Regional de Medicina do Estado de Minas Gerais (CRM-MG) divulgou uma nota em que informa que tomou conhecimento pela imprensa da morte da mulher que passava por uma mamoplastia.

"O CRMMG abrirá sindicância para apuração dos fatos, seguindo o protocolo de procedimentos estabelecidos pelo Código de Processo Ético Profissional (CPEP). Esses procedimentos correm sob sigilo. Obedecendo ao CPEP, somente as penalidades públicas impostas aos médicos poderão ser divulgadas", conclui o texto. 

Leia mais:

Jovem de 24 anos morre após passar mal em esteira de academia do bairro Castelo
Professora morta após bala perdida em Juiz de Fora comprava presente de aniversário do filho
Hospitais brasileiros testam robô que usa inteligência artificial contra sepse