A indefinição quanto ao 13º salário dos servidores estaduais motiva uma mobilização de familiares de policiais e bombeiros militares na entrada do Batalhão Rotam, na avenida do Contorno, nesta quarta-feira (19). 

O ato, que começou cedo, visa impedir a entrada ou saída de carros e militares do batalhão. "Os militares são proibidos de fazer greve, então nós viemos aqui fazer por eles. Somos cerca de 12 mulheres, esposas de militares, e uma veio até com a filhinha pequena, porque ela precisa mamar e a mãe não tinha com quem deixar, mas é importante estar aqui", conta uma das lideranças do movimento, Luciana Vieira. 

Segundo ela, as integrantes da manifestação chegaram a se sentar no chão para impedir a entrada e saída no batalhão. "Tentaram nos arrastar dali, mas nós resistimos e continuamos nas duas entradas do batalhão. Ninguém vai entrar", relata. 

O motivo do ato é para que "o governador respeite os servidores públicos e, principalmente, os militares, que sequer têm o direito de fazer greve", segundo Luciana.

O sargento Marco Antônio Bahia, presidente da Associação dos Praças Policiais Bombeiros Militares de Minas Gerais (Aspra-MG), acredita que, com a mobilização, foi possível dar um recado ao governo. "Somos proibidos de fazer greve, mas não de nos mobilizar", conclui. 

Procurada pela reportagem, a assessoria de comunicação da PM informou que "mantém o status quo e que as atividades ainda continuam sem nenhum prejuízo". Segundo a corporação, que está ciente dos fechamentos de algumas unidades causados por manifestações, "outras unidades estão em funcionamento e as trocas de serviço têm sido feitas".


Leia mais:
Escala de pagamento do 13º salário dos servidores estaduais será divulgada nesta quarta
Sem respostas sobre 13º, policiais fecham Detran da Gameleira novamente 
Servidores do Estado protestam no Centro de BH contra parcelamento de salários e falta do 13º