Museus, bibliotecas, galerias, além de parques, unidades de conservação e grutas estão entre os equipamentos que poderão funcionar, a partir deste sábado (12), em municípios que estão na onda amarela do Minas Consciente, programa estadual de retomada da atividade econômica.

A informação foi divulgada nesta quinta-feira (10) pelo governo de Minas. Até então, esses atrativos culturais e ambientais só poderiam funcionar em cidades que estão na onda verde do plano - que é o nível máximo de flexibilização, na atualidade. Com a mudança, que é válida para cidades que aderiram ao Minas Consciente, municípios das ondas verde e amarela podem ter os espaços abertos.

As ondas são níveis hierárquicos do programa estadual que definem quais estabelecimentos podem funcionar em uma localidade. A classificação é definida a partir dos dados epidemiológicos de uma região.

De acordo com o secretário adjunto de Desenvolvimento Econômico (Sede), Fernando Passalio, a deliberação vem após um pedido da Secretaria de Estado de Cultura e Turismo (Secult) para a reabertura dos equipamentos, que terão protocolos distintos de acordo com a onda em que um município está. 

Ou seja, se a cidade está na onda amarela, ela poderá abrir os parques e museus a partir deste sábado desde que siga o protocolo de combate à Covid-19 próprio para a abertura desses espaços. O documento, segundo o gestor, é mais restritivo.

Já os municípios que se encontram na onda verde seguirão outro documento, menos restritivo, e desenvolvido para cidades que estão na onda verde.

"Passam a valer na onda amarela os atrativos culturais, como museus, bibliotecas, galerias e patrimônio cultural, de uma forma geral; e também os atrativos naturais, como parques estaduais, unidades de conservação, grutas, patrimônio ambiental de forma geral", explicou Passalio.