O prefeito Alexandre Kalil usou o Twitter, na noite desta sexta-feira (28), para se manifestar sobre o valor da passagem dos ônibus de Belo Horizonte. "Não temos satisfação a dar a ninguém, já que os documentos da auditoria feita nos contratos do transporte público de BH foram encaminhados ao Ministério Público". 

O chefe do executivo municipal sugeriu, ainda, que Ministério Público peça a prisão de quem tenha dado aumento de ônibus maior que o previsto em contrato.

As declarações do prefeito aconteceram após o MP divulgar que notificou a PBH a se explicar, em 72 horas, sobre o aumento de 11% anunciado na última quarta-feira (26). O órgão informou que abriu um inquérito civil para apurar a situação após ser procurado pelo movimento Tarifa Zero, que questiona o reajuste. 

Entre os argumentos encaminhados aos promotores estão uma possível falta de clareza dos parâmetros para se chegar ao valor de R$ 4,50 e o fato de o Conselho Municipal de Mobilidade Urbana (Comurb) não ter sido convocado antes da publicação do decreto que determina o aumento.

De acordo com levantamento feito pelo Tarifa Zero, a passagem na capital deveria custar R$ 3,45, 15% menos do que o valor praticado atualmente. O cálculo leva em conta dados fornecidos pela PBH via Lei de Acesso à Informação.

A passagem subiu de R$ 4,05 para R$ 4,50 e começa a valer no próximo domingo (30).

Leia mais:
Passagem de ônibus em BH passa a custar R$4,50 a partir do próximo dia 30
Tarifa Zero aciona o MP para evitar aumento da passagem de ônibus em BH