Somente entre essa quarta-feira (18), dia em que Belo Horizonte ficou envolta em fumaça, e esta quinta (19), o Instituto Nacional de Pesquisas Especiais (INPE) registrou 651 focos de fogo em Minas Gerais, desde pequenas queimadas até incêndios de grandes proporções. O período de contagem destes focos foi da meia-noite de quarta até as 13h desta quinta. 

Em comparação com o mesmo período da semana passada, ou seja, entre a meia-noite do dia 11 até as 13h do dia 12, foram registrados 213 focos de queimadas. Isso significa que em uma semana, o número de incêndios no Estado subiu aumentou 205%.

Conforme explicou o INPE, esta contagem considera somente os registros dos satélites de referência da instituição. Mas ao considerar todos os satélites, o número de queimadas computados salta para 8.477. No entanto, há o risco de os satélites terem registrado o mesmo incêndio mais de uma vez. Desta forma, o correto é considerar somente os satélites de referência para uma contagem mais precisa. 

As cidades com maior registro estão no Triângulo Mineiro, sendo Uberaba, com 40 focos, e Santa Vitória, com 27.

Somente nas unidades de conservação estaduais são registrados 16 focos de incêndio no mesmo período, sendo a mais atingida a Área de Proteção Ambiental Sul, que compreende parte da Região Metropolitana de Belo Horizonte. Fazem parte dela os municípios de Barão de Cocais, BH, Brumadinho, Caeté, Catas Altas, Ibirité, Itabirito, Mário Campos, Nova Lima, Raposos, Rio Acima, Santa Bárbara e Sarzedo. 

Após três dias em chamas, a área de vegetação do condomínio Morro do Chapéu, em Nova Lima, teve o fogo controlado nesta quinta-feira. Segundo o Corpo de Bombeiros, as chamas foram extintas naturalmente. 

Ainda conforme a corporação, por volta das 14h desta quinta os militares já haviam recebido 19 solicitações para atender ocorrências de incêndios florestais que demandaram o deslocamento das equipes, e outras 15 solicitações em espera. "Na medida em que as viaturas vão sendo liberadas de onde estão atendendo, são empenhadas em outras que estão aguardando", explicou a assessoria do Corpo de Bombeiros. 

Leia mais:

Tempo seco, esfumaçado e quente leva crianças a atendimento médico em BH
Névoa de fumaça e fuligem podem retornar nesta quinta; entenda a causa do fenômeno
Médico ensina a aliviar desconforto com fumaça em BH