Mais duas mortes por dengue foram confirmadas em Belo Horizonte. De acordo com balanço divulgado pela Secretaria Municipal de Saúde nesta sexta-feira (2), 19 pessoas morreram na capital mineira neste ano após contrair a doença transmitida pelo Aedes aegypti.

Até o momento, 88.949 casos de dengue foram confirmados por exames laboratoriais, enquanto outros 26.469 registros estão pendentes de resultados. Foram investigadas e descartadas 18.673 notificações da doença.

A secretaria faz questão de reforçar que mais de 88% dos casos confirmados ocorreram entre março e maio, ápice da epidemia de dengue de 2019 na cidade. A pasta afirmou ainda que 15 dos 19 óbitos confirmados ocorreram em pacientes que já tinham outras doenças que contribuíram para complicações.

Confira os números de casos confirmados entre janeiro e julho deste ano:

balanço dengue 2.8

Segundo a secretaria, a Prefeitura mantém durante todo o ano ações de vigilância e combate ao transmissor da dengue, zika e chikungunya. Entre elas, estão as vistorias em imóveis, realizadas pelos Agentes de Combate a Endemias. Só nos seis primeiros meses deste ano, foram realizadas mais de 2,3 milhões de vistorias.

Outro trabalho realizado é o monitoramento do índice de infestação mosquito através das ovitrampas. São cerca de 1.700 armadilhas para colocação de ovos espalhadas pela capital. As regionais do Barreiro, Venda Nova e Nordeste são as que registraram números alarmantes de casos de dengue.

Zika e chikungunya

Foram notificados 165 casos de chikungunya em residentes de Belo Horizonte neste ano. Dentre eles, 55 foram confirmados, sendo 20 contraídos no município, 15 importados e 20 com origem indefinida. Há 110 casos em investigação.

Já em relação à zika, houve o registro de 305 casos na capital, sendo que somente um foi confirmado por exame. Foram 238 casos descartados e 66 permanecem em investigação.