Número de pediatras em Minas deveria ser sete vezes maior

Ernesto Braga - Do Hoje em Dia
10/01/2013 às 06:38.
Atualizado em 21/11/2021 às 20:28
 (Samuel Costa)

(Samuel Costa)

Na pesquisa feita no ano passado pelo Conselho Regional de Medicina de Minas Gerais (CRM-MG), a Pediatria apareceu como a terceira especialização que mais atraía os médicos recém-formados.

Mas, na prática, esses profissionais estão cada vez mais escassos nas unidades de saúde públicas e particulares do Estado. Insatisfeitos com a desvalorização da categoria, muitos estão se especializando em outras áreas da medicina.

Levantamento feito pela instituição mostra que há 3.088 pediatras (incluindo cirurgiões) em Minas, para 4,4 milhões de crianças e adolescentes de até 14 anos.

A média é de um profissional para cada 1.421 pessoas nessa faixa etária, sete vezes menos que o recomendado pela Organização Mundial de Saúde (OMS), que é de um pediatra por grupo de 200 habitantes. Em Minas, deveriam atuar pelo menos 22 mil especialistas em saúde infantil.

“O problema vem se agravando nos últimos dois anos. O pediatra existe, mas está mal distribuído pelo Estado”, afirma Cláudio Drummond Pacheco, diretor de Assuntos Profissionais da Sociedade Mineira de Pediatria (SMP).

Ele ressalta que a maior parte dos profissionais atua em BH, deixando o interior desguarnecido. “Mesmo na capital, há uma má distribuição. Quando nos afastamos do Centro e vamos à periferia, fica mais difícil conseguir atendimento”.

Fila

O problema é enfrentado pelo auxiliar de produção industrial Márcio Augusto dos Santos, de 22 anos, quando ele leva o filho Mike, de 4, à Unidade de Pronto-Atendimento (UPA) Barreiro. Morador do bairro Miramar, nessa região da cidade, Márcio reclama da longa espera na fila. “Geralmente, são apenas dois pediatras. Já aguardei mais de cinco horas para o Mike passar pelo médico”.

Baixo salário

O salário defasado é um dos fatores que têm afastado os pediatras dos consultórios, de acordo com Paulo Eustáquio Pinto, do conselho diretor do Sindicato dos Médicos (Sinmed-MG). “O piso defendido pela Federação Nacional dos Médicos (Fenam) é de R$ 9.800, para 20 horas semanais de trabalho. Mas, para receber esse valor, os pediatras têm de trabalhar mais de 40 horas por semana”.

O presidente do CRM-MG, João Batista Soares, ressalta que, ao contrário de outras especialidades, os pediatras não têm remuneração por procedimentos, como exames e cirurgias. “Além disso, as mães criam uma dependência com esses médicos. Na rede particular, é comum eles serem procurados a qualquer hora do dia”.
 
Saiba  mais sobre o atendimento nos hospitais na http://hojeemdiardp2.digitalpages.com.br/html/shelf/93

Compartilhar
Ediminas S/A Jornal Hoje em Dia.© Copyright 2022Todos os direitos reservados.
Distribuído por
Publicado no
Desenvolvido por