O número de possíveis vítimas de abuso sexual do médium João de Deus não para de subir. Nesta quarta-feira (12), o Ministério Público de Minas Gerais informou que sete mulheres procuraram o órgão para formalizar denúncias. De acordo com o MPMG, as vítimas estão sendo acolhidas pelo Centro de Apoio Operacional das Promotorias de Justiça de Defesa dos Direitos Humanos (CAODH).

Os relatos estão sendo recebidos em Minas e serão encaminhados ao Ministério Público do Estado de Goiás, onde as investigações estão sendo concentradas. O curandeiro atende, desde 1976, em Abadiânia, cidade que fica a aproximadamente 100 quilômetros de Brasília.

Conforme o MPMG, o canal de comunicação com o CAODH para possíveis vítimas de João de Deus é o telefone (31) 3330-8394.

O MP goiano e a Polícia Civil do Estado estão realizando trabalhos em conjunto para tentar captar outras possíveis denúncias desde que Rede Globo apresentou os depoimentos na última sexta-feira (7). Além dos órgãos de Goiás, promotores de outros estados deverão atuar em conjunto com o intuito de reunir denúncias contra o religioso.

João de Deus

O médium goiano esteve na Casa Dom Inácio de Loyola, onde realiza os atendimentos, e disse que está à disposição da Justiça brasileira. "Irmãos e minhas queridas irmãs, agradeço a Deus por estar aqui. Quero cumprir a lei brasileira. Estou nas mãos da Justiça. O João de Deus ainda está vivo", declarou o médium.

Foi a primeira aparição pública de João de Deus desde que vieram a público as denúncias de que ele teria abusado sexualmente de frequentadoras do centro espírita. Segundo o MPGO, até essa terça-feira (11), 206 mulheres já tinham procurado atendimento alegando serem vítimas do médium.

Leia também:
Filha de João de Deus grava vídeo ao lado do pai desmentindo acusações
João de Deus afirma estar à disposição da Justiça
João de Deus aparece pela 1ª vez em Abadiânia após denúncias de abuso sexual
Dependência econômica e fé se misturam em Abadiânia, em Goiás


(*) Com Agência Brasil