O clima singelo da celebração de um casamento marcou o fim de tarde no Santuário de São João Batista, em Barão de Cocais, na região Central de Minas Gerais. Um contraponto à tensão dos moradores que estão preocupados com a insegurança no complexo da Mina Gongo Soco, a união matrimonial estava marcada desde 2018 para o templo que fica cerca de 100 metros da ponte sobre o rio São João, por onde os rejeitos de minério chegariam em caso de rompimento da barragem Sul Superior. 

Porém, uma das organizadoras da celebração informou à reportagem, que na segunda-feira da semana passada, quando  surgiu a informação da possibilidade de queda do talude na mina da Vale neste sábado (25). “Os noivos procuraram a empresa, conversaram bastante e por pouco o casamento não foi cancelado”, contou a cerimonialista, que pediu para ter a identidade preservada. 

Antes do início da celebração, marcada para 17h, a organização do casamento ainda pediu orientações aos militares do Corpo de Bombeiros e aos agentes da Defesa Civil que estavam em patrulhamento na praça em frente à igreja. “Muitos convidados não vieram. A lista era bem maior”, informou. 

Os noivos são moradores de Barão de Cocais e não quiseram conversar com a imprensa. A cerimônia foi presidida pelo diácono José Apolonário, à frente do santuário há 22 anos. Após o casamento haverá uma festa planejada em um sítio fora da área de risco. 

Leia também:
Sirene toca por engano em Santa Bárbara e mineradora de ouro reconhece 'transtorno'
Bombeiros localizam corpo em Brumadinho e mortos em tragédia sobem para 242
Deslocamento em talude chega a 19 centímetros em mina da Vale em Barão de Cocais
Grupo distribui abraços em praça para tranquilizar moradores de Barão de Cocais