Sem dúvida, quem se submete a provas como as do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) fica ansioso para acessar o gabarito oficial e ter logo certeza de quantos pontos fez. A expectativa é que o Inep, responsável pelo Enem, só vá divulgar esse gabarito oficial no próximo dia 27. E as notas da versão impressa (5.523.029 inscritos) do exame têm previsão de só serem conhecidas oficialmente em 29 de março. A versão digital do Enem (projeto piloto, para 96 mil candidatos) será aplicada entre 31 de janeiro e 7 de fevereiro.

E os resultados dessa avaliação poderão ser usados pelos candidatos para ingresso no ensino superior por meio de programas federais como o Sistema de Seleção Unificada (Sisu) e o Programa Universidade para Todos (ProUni).

Novidades no Sisu

O Sisu seleciona estudantes para vagas em instituições públicas de ensino superior. Os candidatos interessados não podem ter tirado zero na Redação do Enem. Com duas edições anuais, o Sisu 2021 receberá adesão das instuições públicas de educação superior entre os dias 8 e 12 de fevereiro, segundo edital publicado pelo MEC na semana passada.

O mesmo edital aponta que, para a seleção dos candidatos às vagas oferecidas por meio do processo seletivo do Sisu para este primeiro semestre de 2021, vão ser exigidos exclusivamente os resultados do Enem referente à edição 2020. O MEC avisa que, assim que for divulgado o resultado do Enem, será publicado novo edital, com prazo de inscrição e outros procedimentos relacionados ao primeiro Sisu do ano.

O painel de monitoramento do Ministério da Educação explica que pelo menos nove das 69 universidades federais do país devem estender o ano letivo de 2020 até 2021. Além disso, a grande maioria dessas instituições mantém atividades on-line. Na pós-graduação, informa o MEC, 62 universidades federais funcionam a partir de atividades remotas, cinco têm atenção presencial parcial e apenas duas estariam com funcionamento normal.

O ProUni, por sua vez, seleciona estudantes para bolsas de estudo – integrais ou parciais (50%) – em instituições privadas de ensino superior. O acesso à bolsa integral exige que o candidato comprove renda familiar bruta mensal, per capita, de até 1,5 salário mínimo. Já concorrer à bolsa parcial, o interessado precisa ter renda familiar mensal por pessoa de até três salários mínimos. Outras exigências é não ter zerado a Redação do Enem e ter alcançado 450 pontos na média das notas do exame.

Fies

A nota obtida no Enem pode ser usada ainda para que o estudante consiga acesso ao Fundo de Financiamento Estudantil (Fies), que, segundo o governo federal, oferece subsídio sob encargos mais baixos do que os disponíveis no mercado.

As instituições de ensino superior, públicas e privadas, têm autonomia para as notas do Enem em seus processos seletivos, além daqueles conduzidos pelo governo federal. Existem, inclusive, instituições estrangeiras que aceitam as notas do Enem para a inclusão do estudante em seu corpo discente. O Inep informa, por exemplo, que mantém convênio nesse sentido com 51 instituições de ensino de Portugal.

De toda forma, em razão da pandemia, que trouxe uma série de mudanças aos calendários das escolas mundo afora, inclusive, no Brasil, é importante que o candidato busque informações diretamente no site e nas redes sociais da instituição superior na qual tem interesse. A Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), por exemplo, sonho de muitos candidatos, pretende iniciar o semestre letivo em 15 de março, antes da divulgação dos resultados oficiais do Enem. (Com informações da Agência Brasil)