Auxílio de pesquisadores com novas tecnologias, mudanças nas rotinas de trabalho e certificação da agroindústria ajudam a explicar a melhoria na qualidade e o aumento nas vendas de mel no Norte de Minas. Apesar de um ano difícil devido à pandemia de Covid-19, a produção dos apiários saltou 20%.

Com o manejo mais adequado, os apicultores da Associação Rural Apícola de Januária (Arajan) reduziram as perdas na entressafra e cresceram significativamente os enxames com a introdução de rainhas melhoradas geneticamente. 

A chegada de novas tecnologias e as boas práticas foram possíveis graças ao projeto Assistência Técnica e Extensão Rural (Ater), da Emater-MG com a Assessoria Empresarial em Apicultura, que ainda envolve diversos parceiros. A iniciativa ficou em primeiro lugar no prêmio MelhorAção 2020, promovido pela empresa.

A união de instituições por meio do projeto, que teve início em 2018, contribuiu para melhorar a gestão e os processos produtivos da associação.

“Foi um diagnóstico participativo para identificar todo o potencial da associação e os gargalos. Fizemos planos de gestão e de trabalho. Tivemos duas vertentes. A primeira foi trabalhar com a capacitação dos dirigentes da entidade. Depois, trabalhamos com o próprio apicultor em campo”, diz o técnico da Emater-MG, Weder Fernandes.

Segundo a Emater, a associação não só conseguiu melhorar a qualidade do mel produzido, como vender o produto por um valor mais justo. “Com tudo isso, a gente conseguiu visualizar que nós temos que profissionalizar os nossos apicultores para conseguir entrar no mercado com uma demanda muito maior”, afirma a presidente da Arajan, Lúcia Patrícia Américo.

O número de associados da Arajan também aumentou. Hoje, o grupo produz, em média, 50 toneladas de mel por safra. Com o auxílio do serviço de Ater, a agroindústria ainda recebeu a certificação sanitária do Instituto Mineiro de Agropecuária (IMA).

Além disso:

Atualmente, o mel produzido pela Arajan é comercializado na feira livre de Januária, no Programa de Aquisição de Alimentação (PAA), Programa Nacional de Alimentação Escolar (Pnae). A ideia agora é fortalecer a apicultura na região.

“Estamos construindo o Território da Apicultura do Norte de Minas, que engloba os municípios de Bonito de Minas, Cônego Marinho, Januária, Pedras de Maria da Cruz, Lontra, Japonvar e São João da Ponte”, acrescentou o técnico da Emater, Weder Fernandes.

Segundo ele, estudos estão em andamento. “Já foram feitos diagnósticos com todos os apicultores dessas regiões, assim como compilados dados e ações a serem desenvolvidas após passar o período de pandemia”.

 

(*) Com informações da Agência Minas

Leia também:
Comerciantes da capital ameaçam descumprir decreto da PBH contra a Covid
Pontos de prostituição infantil aumentam 90% nas rodovias federais de Minas