Em um prazo máximo de 90 dias, os 605 novos táxis que vão atender passageiros da capital já estarão nas ruas. A BHTrans concedeu 545 permissões para táxis convencionais e 60 para veículos adaptados para o transporte de pessoas com necessidades especiais.

Mais de nove mil interessados participaram do processo. Maior tempo como motorista auxiliar contou pontos na escolha dos vencedores.

Esses novos taxistas chegam já tendo que oferecer um serviço de 12 horas por dia, conforme determinação da BHTrans, que entra em operação nos próximos dias. A nova carga horária terá de ser cumprida por todos os outros 5.991 motoristas. A fiscalização será feita por meio do monitoramento do deslocamento e tempo dos táxis via GPS, a ser incorporado nos taxímetros.

A entrega simbólica das primeiras permissões aconteceu na tarde da última terça-feira (5), no auditório da Prefeitura de BH. O prefeito Marcio Lacerda (PSB) repassou a permissão à única taxista mulher vencedora desta licitação, Maria Madalena dos Passos, de 62 anos, 20 deles como motorista auxiliar.

Residente no bairro Alípio de Melo, região Noroeste da capital, ela vibrou ao receber o certificado. “Estou realizando um grande sonho”. Ela adiantou que, de olho nas copas das Confederações e do Mundo, pretende adquirir um Chevrolet Cobalt preto, para prestar “um serviço especial”.

Homenagem

Outros taxistas homenageados foram José Deradlo Boas dos Santos, de 59 anos, 27 deles como condutor auxiliar, e Ademilson Rocha, de 54, que sofreu paralisia infantil e é taxista há 16 anos.

No local estava também o taxista mais idoso, Liberato Antônio Ferreira Homem, de 77 anos, que atuou 18 deles como auxiliar.

As novas permissões atendem a reivindicações da Associação dos Condutores Autônomos (Acat), representada no local pelo presidente José Estêvão de Paula. O presidente do Sindicato dos Taxistas de BH, Dirceu Efigênio, cobrou mais agilidade no plano de mobilidade da capital para que o serviço dê uma resposta mais eficaz. O prefeito Marcio Lacerda reconheceu que a cidade precisa dinamizar os projetos de mobilidade. Ele admitiu que as obras do BRT tiveram de ser paralisadas em virtude de imposições da Lei de Responsabilidade Fiscal e de realocações de recursos. Mas garantiu que estarão concluídas em janeiro do próximo ano.