A substância química dietilenoglicol (DEG), encontrada no sangue de pelo menos dois dos oito homens hospitalizados em Minas - também presente em lotes da cerveja Belorizontina recolhidos nas casas dos pacientes - não poderia estar na composição da bebida. Ela é altamente tóxica.

Quem explica é Bruno Gonçalves Botelho, professor de Química da UFMG. De acordo com o especialista, a solução tem um uso industrial muito comum em fábricas que precisam refrigerar máquinas durante o processo de produção. Outro exemplo é a utilização em radiadores automotivos: o chamado líquido de arrefecimento resfria o funcionamento do motor.

Em cervejarias, o fluido, composto por água e DEG, circula pela parede externa do tanque de fermentação, resfriando o conteúdo interno. Isso é necessário porque a temperatura da cerveja durante a fermentação tem que ser mantida baixa, entre 8 e 10 graus. "Ou seja, é um uso indireto. Em nenhuma etapa, o DEG é misturado ao alimento, pois é considerado tóxico. Ele não tem função saborizadora, espessante ou adoçante. Ele não é regularizado como aditivo", explicou.

A molécula de dietilenoglicol é vendida por indústrias já sintetizada. Além de baixar a temperatura, serve como anticongelante. A água, por exemplo, congela a 0 graus. "Se eu misturo DEG com água, consigo fazer com que esse líquido permaneça nesse estado físico em temperaturas mais baixas, tornando o processo de refrigeração mais eficiente", afirmou.

Caro e substituível
Para o presidente da Associação Brasileira de Cerveja Artesanal (Abracerva), Carlo Lapolli, o aparecimento do dietilenoglicol dentro das garrafas é um mistério, já que a maioria das produtoras artesanais de cerveja não utiliza o produto. "Pode ser usado nas serpentinas do lado de fora do tanque da cerveja como anticongelante. Mas, por ser um produto caro e substituível por álcool etílico puro, as pequenas produtoras geralmente optam por não usar", explica.

Segundo ele, um eventual vazamento nessas serpentinas é facilmente percebido e, se contaminasse a quantidade de bebida que fica nos tanques, dificilmente seria em quantidade suficiente para causar as consequências vistas. (Com Daniele Franco)

Leia mais:
Contaminação de cerveja divide opinião de moradores do Buritis: 'tomei 12 e não tive nada'
Cerveja 'some' de supermercados do Buritis após laudo detectar toxina como possível causa de surto
Backer vai recolher de casa em casa cervejas dos lotes citados em laudo da PC