Obra na Escola Estadual Barão de Macaúbas só sai com aval do conselho do patrimônio

Aloísio Morais - Hoje em Dia
08/10/2013 às 06:46.
Atualizado em 20/11/2021 às 13:09

O Conselho Deliberativo do Patrimônio Cultural de Belo Horizonte deverá definir no dia 16 se libera ou não a continuidade da obra na Escola Estadual Barão de Macaúbas, no bairro Floresta, zona Leste da capital. A interdição aconteceu porque uma estrutura erguida onde antes ficava um galpão de recreação estaria em desarmonia com o imóvel tombado e a vizinhança.

O conselho considera que, embora o anexo projetado pelo Departamento Estadual de Obras Públicas (Deop) tenha altura “equivalente à edificação principal”, “isso não foi suficiente para a eliminação de obstrução de visibilidade ou desarmonia”, uma vez que a obra tira, em parte, a vista que se tem da torre da Igreja Nossa Senhora das Dores. O templo fica atrás da escola, na rua Silva Jardim.

Em 18 de setembro, o conselho solicitou que o Deop arranjasse uma solução para a obra, de forma que ela não interferisse de forma agressiva no Conjunto Urbano do Bairro Floresta. A proposta deverá ser apresentada no dia 16.

Pesado e metálico
 
Embora o Instituto Estadual do Patrimônio Histórico (Iepha) tenha aprovado a intervenção, o problema foi detectado pelo Conselho do Patrimônio Cultural de BH, que decidiu pela interdição.

“A nova edificação não apresenta atributos arquitetônicos que justifiquem a construção naquele local”, observou o arquiteto e conselheiro José Júlio Rodrigues Vieira, no parecer sobre o caso que embasou a decisão do grupo.

“Trata-se de um volume pesado, coberto de telhas metálicas (...). O novo prédio chama atenção para si não em função de qualidades urbanas, mas por ser um prisma pouco elaborado arquitetonicamente, que não reverencia o prédio principal e não interage com a ambiência oferecida pela vizinha Praça Maria Zamenhof”, acrescentou.

A restauração, a adaptação e a ampliação do Barão de Macaúbas foram reiniciadas em 1º de outubro, ficando pendente apenas a obra do novo galpão. Atualmente, os alunos frequentam a Escola Estadual Pedro Américo, no bairro Santa Tereza.
 
O outro lado

 
O Departamento Estadual de Obras Públicas (Deop) informou que a restauração e a recuperação da Escola Estadual Barão de Macaúbas tiveram início em 29/08/2012 somente com a aprovação do Instituto Estadual do Patrimônio Histórico e Artístico (Iepha), que o departamento entendia ser suficiente para a execução da obra. Diante do entendimento diferente da prefeitura, o Deop tomou “todas as providências necessárias para a liberação da obra pela Diretoria de Patrimônio Cultural da Fundação Municipal de Cultura”.
 

Compartilhar
Ediminas S/A Jornal Hoje em Dia.© Copyright 2022Todos os direitos reservados.
Distribuído por
Publicado no
Desenvolvido por