A onça-pintada que vem assustando moradores e mobilizando diversas entidades para sua captura em Juiz de Fora, na Zona da Mata, voltou a "atacar". Após várias aparições, do Jardim Botânico até ruas movimentadas, o felino invadiu um galinheiro e matou nove galinhas na casa de um senhor de 72 anos, na madrugada desta quarta-feira (8). 

O idoso acionou a Polícia Militar (PM) de Meio Ambiente até a residência, localizada no bairro Parque das Torres. O local fica às margens do rio Paraibuna, a cerca de 8 km do ponto onde o animal foi visto inicialmente, em uma mata do Jardim Botânico da cidade. Ele contou que acordou com a agitação das galinhas e pegou uma foice para verificar o que acontecia, mas acabou espantando o animal.

Na madrugada dessa terça-feira (7), um policial militar que passava em uma avenida às margens do rio Paraibuna avistou a onça-pintada e chegou a fotografá-la. Foi a primeira aparição dela na região Norte do município. 

Nas redes sociais, um vídeo mostra um morador se arriscando para filmar o animal selvagem. Atrás de uma grade, o autor das imagens faz barulhos com a boca, normalmente usados para atrair atenção de gatos, enquanto busca o melhor ângulo para filmar a onça.

Confira: 

A primeira vez que o animal foi visto foi no dia 25 de abril, quando um segurança do Jardim Botânico da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) o filmou caminhando ao redor da sede administrativa, a cerca de 300 metros da entrada de visitantes. Desde então, foi definido que o parque ficaria fechado por tempo indeterminado. 

Depois disso, vídeos e fotos demonstraram que o animal circula por grandes áreas, tendo sido visto no dia 26 de abril em frente a um hotel, que fica perto da rodoviária da cidade, e no estacionamento da Igreja Batista Resplandecente Estrela da Manhã, no dia 1º de maio. 

"O felino tem se comportado de modo audaz, curioso e exploratório, indicando habituação arriscada à presença e ao ambiente humanos. O comitê reforça a necessidade de a população seguir as recomendações de segurança, como evitar atividades ao longo do rio Paraibuna, na área coberta pela Mata, como também em imediações da área florestal, entre 17h e 6h", divulgou a UFJF. 

Comissão conta até com o Exército

Desde então, foi mondada uma comissão interinstitucional para monitorar, capturar e translocar a onça-pintada para uma área segura e longe dos humanos. O colegiado, que é acompanhado pelo Centro Nacional de Pesquisa e Conservação de Mamíferos Carnívoros (Cenap/ICMBio), é formado por sete instituições: Campo de Instruções do Exército Brasileiro, Corpo de Bombeiros, Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), Instituto Estadual de Florestas (IEF/Cetas), Polícia Militar e Prefeitura de Juiz de Fora.

Na noite de terça, representantes de todos os órgãos participaram de uma reunião com moradores dos bairros onde a aparição do animal vem ocorrendo com o objetivo de sanar dúvidas. Foi explicado como vem funcionando o mapeamento para localização e, também, a instalação de armadilhas seguras para tentar capturá-lo. 

Uma dúvida da população era se poderia existir mais de um animal na área, o que foi descartado pelos especialistas, uma vez que, nesta fase da vida, as onças-pintadas costumam ser solitárias. "Por ser um território pequeno, outro macho não invade este espaço, e uma fêmea apenas se aproximaria para reprodução", disse durante a reunião o vice-diretor do Jardim Botânico, Breno Moreira. 

O analista ambiental do IEF, Glauber Barino esclareceu aos moradores que tudo indica que o felino não é domesticado, uma vez que ele vem caçando. "Outro indício é a sua boa condição de saúde, pois está vivendo facilmente na mata, característica dificilmente identificada caso fosse domesticada", explicou. 

Encontrou com a onça? O que fazer? 

Caso algum morador de Juiz de Fora se aviste a onça-pintada, a recomendação da comissão montada é avisar a Polícia Militar de Meio Ambiente, pelos telefones 190 e (32) 3228-9050. Em caso de confinamento do felino, o morador deve acionar o Corpo de Bombeiros pelo 193.

Diante do pânico da população, a UFJF divulgou algumas dicas sobre o que fazer no caso de se deparar com o animal. Confira:

– Mantenha a calma.

– Levante o braço, sem movimentos bruscos, para se parecer maior.

– Nunca corra de uma onça, pois isso pode estimular seu instinto natural de caça.

– Afaste-se lentamente de frente; não dê as costas.

– Dê espaço para ela se afastar também, o que é uma tendência do animal.

– Se estiver com criança, pegue-a no colo, para evitar que ela saia correndo; ou leve-a para trás de você, protegendo-a.

– Não atire pedras ou outro objeto e nem corra, para não atiçar o instinto do animal.

– Sem tirar os olhos da onça, fale alto e firme, não grite;

Leia mais:
Onça-pintada aparece no Jardim Botânico da UFJF e instituição é fechada temporariamente; veja vídeo
Minas tem 33 animais restritos aos limites do Estado em risco de extinção; conheça as espécies
Restam menos de 300 onças-pintadas na Mata Atlântica