Metade das 14 Macrorregiões de Saúde de Minas Gerais estão na onda vermelha, do plano Minas Consciente, informou a Secretaria de Estado da Saúde (SES) nesta quinta-feira (17). Dessa forma, a recomendação para essas cidades é de fechamento de todo o comércio não essencial. 

Até esta quinta, Minas já teve 483.369 casos confirmados de coronavírus, dos quais 10.933 acabaram em morte. Nas últimas 24 horas, houve 5.672 novos registros de casos e 78 óbitos.

De acordo com as últimas análises, sete macrorregiões do estado estarão na Onda Vermelha na semana do Natal, situação que permite apenas o funcionamento de serviços essenciais como farmácias, supermercados, padarias e bancos. São elas: Jequitinhonha, Leste, ​Leste do Sul, NordesteVale do Aço, Sudeste e Centro-Sul.

Segundo o secretário adjunto de Estado de Saúde, Marcelo Cabral, o atual cenário é de atenção, diante ao aumento de 6,4% de casos na última semana e de um leve crescimento de 2% na incidência da covid-19 em todo o estado. 

“Infelizmente, houve certo relaxamento por parte da população. A pandemia não acabou e também não temos a situação de imunização para a população definida. Levando em consideração a necessidade de manter a rede assistencial de saúde preparada, o aumento de casos e a aproximação das festas de fim de ano, a mensagem que o governo passa para a população mineira é a de cautela: manter distanciamento, utilizar máscaras e álcool em gel e evitar aglomerações”, disse.

As orientações da Secretaria de Estado de Saúde são para a manutenção do isolamento social e das práticas de higienização constantes, independentemente da onda que cada macrorregião ocupe atualmente, segundo o plano Minas Consciente.

“A Onda Verde quer dizer que os indicadores estão bons e que parte da atividade econômica pode ser retomada. Mas não significa que as pessoas podem relaxar. A orientação é tão somente para as atividades econômicas. Mesmo que determinada cidade ou região esteja na Onda Verde, a recomendação é manter cuidados e, assim evitar que mais pessoas adoeçam”, completou Cabral.

Veja o que pode funcionar nas cidades que estão na Onda Vermelha do programa Minas Consciente:

- Supermercados, padarias, restaurantes, lanchonetes, lojas de conveniência;

- Bares (somente para delivery ou retirada no balcão);

- Açougues, peixarias, hortifrutigranjeiros;

- Serviços de ambulantes de alimentação;

- Farmácias, drogarias, lojas de cosméticos, lavanderias, pet shop;

- Bancos, casas lotéricas, cooperativas de crédito;

- Vigilância e segurança privada;

- Serviços de reparo e manutenção;

- Lojas de informática e aparelhos de comunicação;

- Hotéis, motéis, campings, alojamentos e pensões;

- Construção civil e obras de infraestrutura;

- Comércio de veículos, peças e acessórios automotores.