Onze pessoas foram indiciadas pela Polícia Civil por contaminação de cervejas da Backer. Trinta pessoas foram intoxicadas e sete morreram. De acordo com o inquérito, o problema aconteceu dentro da empresa mineira. Por isso, os delegados responsáveis pelas investigações responsabilizaram funcionários da cervejaria pelos crimes de homicídio culposo - quando não há a intenção de matar -, lesão corporal culposa, intoxicação dolosa, omissão e falso testemunho. 

Agora, o inquérito será remetido para o Ministério Público, que irá analisar o documento e, posteriormente, remeter à Justiça. O resultado da apuração, que durou pouco mais de cinco meses, foi apresentado na manhã desta terça-feira (9).

De acordo com o delegado Flávio Grossi, os investigadores constataram que a contaminação da cerveja ocorreu dentro dos portões da Backer. "Encontramos vazamentos no tanque, jogando o líquido tóxico para dentro da cerveja", explicou. Além dos sete óbitos, diversos clientes da cervejaria continuam com sequelas graves por causa do envenenamento.

Procurada pela reportagem, a Backer informou que irá honrar com suas responsabilidades junto à Justiça, às vítimas e aos consumidores.  "Sobre o inquérito policial, tão logo os advogados analisarem o relatório, a empresa se posicionará publicamente".

Indiciamento

A Polícia Civil não divulgou os nomes dos 11 indiciados, mas se trata de uma testemunha que mentiu em seu depoimento e responderá por falso testemunho e obstrução; o chefe da manutenção da cervejaria, que responderá por homicídio culposo, lesão corporal culposa e contaminação de produto alimentício culposa; seis responsáveis técnicos, que responderão por homicídio culposo, lesão corporal culposa e contaminação de produto alimentício dolosa; três donos da cervejaria, que responderão de forma dolosa por não terem retirado o produto do mercado e nem ter feito o comunicado em tempo hábil.

Contaminação

A investigação apontou que a substância química dietilenoglicol (DEG) estava presente na fábrica desde 2018. Logo que o caso da intoxicação veio à tona, a Backer garantiu que não trabalhava com o produto, somente com o monoetilenoglicol. No entanto, as duas substâncias foram apreendidas na empresa.

A Polícia Civil avalia que não faz diferença de como o DEG foi parar dentro na cervejaria - se a Backer comprou ou se foi trocado pelo fornecedor. "Não faz diferença porque os dois produtos são tóxicos", disse Grossi.

O inquérito também apontou que desde o início de 2019 havia alto índice de contaminação em um dos lotes de cerveja da empresa. O médico-legista Thales Bittencourt informou que o nível de toxidade era tão grande que uma única garrafa era capaz de matar uma pessoa.  

Para concluir o inquérito, que tem cerca de 4 mil páginas, uma equipe multidisciplinar - composta por policiais, engenheiros e químicos - foi montada. Cerca de 70 pessoas prestaram depoimento, sendo vítimas sobreviventes, suspeitos e testemunhas.

Interdição 

A fábrica da Backer foi fechada pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA). A pasta também fez diversos exames e constatou substâncias tóxicas em dezenas de lotes de cervejas da empresa mineira. 

Todas as bebidas da marca foram retiradas de circulação. Além disso, a Justiça determinou que a Backer pague os tratamentos médicos e psicológicos das vítimas e familiares e bloqueou bens da cervejaria. 

De acordo com a Associação das Vítimas da Backer, até o momento, ninguém recebeu assistência financeira da cervejaria para cobrir as despesas com os tratamentos médicos. Apenas um dos pacientes teve custeio emergencial por dois meses, que foi interrompido no início de maio.

A Backer alega que está com os bens bloqueados e, por isso, não tem recursos para arcar com os custos de auxílio às supostas vítimas. A cervejaria ainda espera uma decisão judicial sobre a possibilidade de venda do estoque de cerveja - 240 mil litros de bebida envasados - para que esses valores sejam repassados.

Leia também:
Polícia conclui inquérito do caso Backer e descarta sabotagem; cervejaria pede para retomar vendas
Donos de galpão pedem despejo da Backer por falta de pagamento de aluguel
Backer interrompe pagamento de tratamento a vítimas alegando falta de recursos e comprovação médica