O Ministério Público de Minas Gerais, por meio do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), composto de promotores de Justiça e policiais civis e militares,  realizou nesta segunda-feira (3), em Timóteo, no Vale do Aço, uma operação para desmantelar uma organização criminosa, que atua em fraudes ao seguro DPVAT. A ação  faz parte da operação Perfídia, na qual foram denunciados, entre outras pessoas, três advogados e um médico.

Foram cumpridos quatro mandados judiciais de prisão temporária e sete de busca e apreensão nas residências de suspeitos. Durante as buscas, ainda foi apreendida documentação, que será analisada, além de duas armas de fogo e munição.

De acordo com o MPMG, a fraude era feita da seguinte forma: agenciadores ou despachantes procuravam pessoas envolvidas em acidentes automobilísticos e cobravam de 30% a 50% do valor a ser recebido para, em troca, aumentar ilicitamente o valor do benefício.

Com a participação de outros agentes, documentos eram fraudados para simular lesões inexistentes ou agravar as existentes. O objetivo era aumentar o valor do benefício a ser pago e compartilhar com os integrantes da organização criminosa.

Fonte: MPMG

Leia mais:
Ministério Público de Minas denuncia fraudes no pagamento de indenizações do DPVAT
Parlamentares querem mais transparência na aplicação da verba do DPVAT