Pelo menos 22 pessoas foram presas nesta quinta-feira (27), em uma grande operação da Polícia Federal (PF), contra uma organização criminosa especializada no tráfico de drogas sintéticas. A quadrilha é apontada como a maior do ramo no Brasil e também tinha atuação em Minas Gerais.
 
Segundo a assessoria de imprensa da PF de Goiás, além dos detidos, também foram apreendidos 12 veículos, um jet ski e aproximadamente R$ 1 milhão em dinheiro e cheques. Todos os detidos foram levados para serem ouvidos na unidade da corporação em Goiânia, de onde a operação foi coordenada.
 
A Polícia Federal cumpriu 30 mandados de prisão temporária, oito de prisão preventiva, 40 de condução coercitiva, 55 de busca e apreensão e 12 sequestros de bens e imóveis, incluindo um prédio residencial de 20 apartamentos.
 
Conforme a PF, os criminosos usavam empresas regularizadas para compra de produtos químicos que, posteriormente, eram utilizados para sintetizar os mais variados tipos de droga, que iam desde as anfetaminas até a cocaína. 
 
A operação, denominada “Quinto Elemento”, contou com a participação de 400 policiais federais. Farmácias e laboratórios faziam parte do esquema. Os vendedores, segundo as investigações, usavam carros de luxo para comercializar a mercadoria ilegal.
 
Milhões envolvidos
 
Durante as apurações, os policiais desmontaram oito laboratórios, sendo que em um deles foram apreendidos cerca de 630 mil de comprimidos de ecstasy do Paraguai, também usados como rebite, prontas para o consumo. 
 
Em outro laboratório foi encontrado aproximadamente 800 mil comprimidos. As investigações também apontam que, em apenas oito meses, um dos laboratórios gerenciados pela organização movimentou cerca de R$ 240 milhões. A droga apreendida em apenas um dos laboratórios é superior à quantidade apreendida pela Polícia Federal durante todo o ano de 2015.
 
Todos os envolvidos responderão por tráfico de drogas, associação para o tráfico, falsidade ideológica e tráfico de produtos químicos para a produção de drogas.