Foi deflagrada na manhã desta quarta-feira (24) a operação Parkesina, que combate a sonegação em três empresas fabricantes de artefatos plásticos em Betim e Mateus Leme, na Região Metropolitana de Belo Horizonte. Elas são suspeitas de formarem uma quadrilha para lesar o fisco estadual há mais de uma década, com prejuízos estimados de ao menos R$ 50 milhões.

De acordo com as investigações, as empresas omitiam o recolhimento de tributos ou aproveitavam indevidamente de créditos inidôneos decorrentes de operações simuladas com fornecedores de outros estados. Toda a movimentação era viabilizada com o uso de empresas de fachada. Os agentes públicos envolvidos na investigação buscam comprobatórios que demonstrem a participação das empresas e de seus membros nas fraudes.

Além disso, a fiscalização pretende identificar a prática do crime de lavagem de dinheiro. Com mais de dez anos de sonegação fiscal, os bens serão investigados para que possam garantir os créditos tributários.

A ação contou com profissionais da Secretaria de Estado da Fazenda de Minas Gerais (SEF/MG), com a parceria do Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) e da Polícia Civil de Minas Gerais.