Trinta e duas distribuidoras de bebidas e cigarros em Minas Gerais foram alvo da operação "Ressaca", da Receita Estadual, realizada nesta quarta-feira (13), em seis cidades mineiras: Belo Horizonte e Contagem, na Grande BH; Uberlândia e Uberaba, no Triângulo Mineiro; Juiz de Fora, na Zona da Mata; e Pouso Alegre, no Sul do Estado.

As empresas investigadas são suspeitas de sonegação de impostos, comercialização de produtos autênticos, mas de procedência duvidosa, e de mercadorias falsas ou contrabandeadas. A data foi escolhida pela proximidade com Carnaval, um dos períodos do ano de maior consumo dessas mercadorias.

De acordo com levantamentos iniciais, os estabelecimentos já detêm histórico – direto ou por empresas que sucederam – de mais de R$ 100 milhões em autuações junto à Fazenda mineira por práticas de circulação de mercadorias sem nota fiscal, uso de empresas "laranjas" e de documentos falsos.

Segundo as investigações, a maioria das empresas estaria fornecendo bebidas e cigarros para os chamados “pontos de dose”, como bares, restaurantes, buffets e eventos em geral, além de abastecer de forma irregular mercearias e supermercados. 

Durante a operação, que conta com o apoio da Polícia Civil e com a participação direta de 75 agentes da Receita Estadual, foram apreendidas amostras das mercadorias encontradas nos estabelecimentos. Todo o material será analisado e caso fiquem comprovadas a compra e a venda de produtos falsos ou contrabandeados, as distribuidoras podem ter a Inscrição Estadual cancelada.

* Com Agência Minas

Leia mais:
Mercadorias ilegais dão prejuízo de mais de R$ 50 milhões em Minas