O Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) realizou, nesta quinta-feira (5), operação para combater estelionato e lavagem de dinheiro por meio de criptoativos. A ação "Marcador de Ilusões" cumpriu seis mandados de prisão em Elói Mendes e Varginha, no Sul de Minas Gerais, e em São Paulo. Foram apreendidos mais de R$ 30 milhões e 400 bitcoins, que equivalem a mais de R$ 85 milhões. 

Segundo a promotoria, o líder do grupo tem vasto conhecimento no mercado de criptomoedas e atraiu a atenção de investidores ministrando cursos. 

O suspeito chegou a repassar rentabilidades para algumas vítimas mas, com o desenvolvimento da estratégia, parou de transferir os lucros. Parte dos ativos foi colocada em nomes de laranja e outra parcela foi usada para adquirir imóveis e artigos de luxo. 

Além das prisões e apreensões, também foi determinada a indisponibilidade de bens em mais de R$ 30 milhões, para pagar multas e fazer o ressarcimento das vítimas. 

A ação está sendo realizada pelo MPMG com o Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), Coordenadoria Regional das Promotorias de Defesa da Ordem Econômica e Tributária (Caoet Varginha), Coordenadoria Estadual de Combate aos Crimes Cibernéticos (Coeciber), Polícias Civil e Militar, Receita Federal e com apoio da Associação Brasileira de Criptoeconomia (Abcripto). 

Leia mais:

Deputados avaliam projeto de lei para implantação de câmeras em coletes de policiais de Minas
Operação 'Marretagem' investiga fraude em ICMS na venda de veículos para prefeituras em Minas
Procurador-geral de Justiça de Minas recebe alta honraria da Câmara de MOC