Com as três testemunhas depondo nesta segunda-feira (9), já chegam a 50 o número de pessoas ouvidas pela Polícia Civil em inquérito que investiga a síndrome nefroneural, enfermidade causada pela suposta contaminação de cervejas da Backer com as substâncias tóxicas dietilenoglicol (DEG) ou monoetilenoglicol.

As três testemunhas desta segunda-feira foram atendidas na 4ª Delegacia de Polícia Civil Barreiro. No grupo de ouvidos desde o início das investigações estão pacientes, familiares de vítimas e funcionários da cervejaria.

Ainda segundo a polícia, o conteúdo colhido com essas pessoas não será divulgado para preservar as investigações.

Perícia na Backer

A Polícia Civil prevê para esta semana o retorno das perícias na sede da Backer, no bairro Olhos D'Água, na região Oeste. Ainda não há data definida.

Em nota, a Backer informou que segue colaborando integralmente com as investigações e reforçou que jamais utilizou dietilenoglicol em seu processo de produção. A empresa destacou ainda que conta com as autoridades para entender o que de fato aconteceu.

Leia mais:
Morre sétimo paciente com suspeita de intoxicação por cerveja da Backer