Aproveitando os últimos momentos em que a Praça da Liberdade estará aberta, antes do início das reformas, neste domingo (1º), muita gente ficou surpresa ao saber que um dos principais cartões-postais da cidade restringirá o acesso ao público até novembro, por causa das obras.

No entorno da Praça da Liberdade, trabalhadores da Prefeitura deram sequência à inserção de tapumes, iniciada ainda na sexta-feira (29). Além disso, parte da grama também começou a ser retirada e o bebedouro foi interditado ao público. Segundo trabalhadores que executavam o início das obras neste sábado, o público ainda poderá acessar a praça para caminhadas, por exemplo, até o fim da semana que vem. Apesar disso, a Prefeitura reiterou que o fechamento total do espaço, restringindo o acesso às pessoas, acontece a partir deste domingo (1º).

Moradora do Lourdes, a gestora social Corine Lopes foi pega de surpresa com o fechamento da Praça. Ela faz caminhada três vezes por semana na região e agora terá que procurar outros espaços para as atividades físicas. “Foi uma surpresa saber que a Praça estará fechada. Vou ter que ir para outros espaços, como Parque Municipal. Mas, é uma pena, porque restringe a circulação”, disse Corina.

O representante comercial Evandro Alves, que frequenta a Praça da Liberdade principalmente para acessar a eventos e shows gratuitos, também lamentou a interrupção das atividades para a reforma. “Aqui é um lugar que tem muito eventos, shows, eu venho sempre para prestigiar. Com o fechamento, vamos ter que dar um tempo aqui da região, infelizmente vai cair o movimento por aqui. Ainda bem que tem os equipamentos culturais, como o CCBB”, disse.

Já o pipoqueiro Marcelo Santos, que há dois anos trabalha na Praça da Liberdade, estima uma queda de pelo menos 50% no seu faturamento enquanto durarem as obras. “Boa parte da minha renda, talvez a metade dela, vem do público que está ao ar livre, não de quem frequenta os museus aqui. Então, com o fechamento, tenho pensado em pedir na Prefeitura uma reopção de ponto para vender. Aqui vai ficar fraco”, avalia.

Tombada pelo Instituto Estadual do Patrimônio Histórico e Artístico de Minas Gerais (Iepha-MG), a Praça da Liberdade passará por reformas orçadas em R$5,2 milhões, através de uma parceria entre Governo de Minas, a Prefeitura de Belo Horizonte e a Vale, mantedora da praça. Com projeto do arquiteto Ricardo Lana, a previsão é que todas as intervenções, como reformulação do sistema de iluminação, reforma do coreto e da estátua Ninfa, além da restauração do piso de caminhada, troca de placas de monumentos e bancos e lixeiras, seja concluída até o mês de novembro.