Um grupo de pacientes da Casa de Saúde Padre Damião, localizada no município de Ubá, na Zona da Mata do Estado, se concentrou durante toda a terça (7) na porta da Assembleia Legislativa de Minas Gerais, no bairro Santo Agostinho.

Os manifestantes estão no local para tentar conseguir apoio dos deputados frente ao Governo estadual diante da falta de medicamentos para doentes com hanseníase. Além disso, a casa tem problemas de segurança, já que muito medicamentos são roubados.

O ato conta ainda com a adesão de servidores da Fundação Hospitalar do Estado de Minas Gerais (Fhemig) - que está em greve há mais de uma semana. Durante o dia, cerca de 400 pessoas passaram pelo local. Os manifestantes prometem passar a noite na Assembleia.


A doença

Aparecimento de manchas dormentes esbranquiçadas, avermelhadas ou pardas, em qualquer parte do corpo, principalmente na face, orelhas, costas, braços, nádegas e pernas podem ser os primeiros e principais sintomas da hanseníase.

Descoberta em 1873 por um cientista chamado Hansen, a doença infectocontagiosa é causada por uma bactéria chamada Mycobacterium leprae e sua transmissão se dá por meio das vias respiratórias, no convívio com um paciente portador da forma contagiosa e que esteja sem tratamento. A hanseníase é a doença que tem menor poder de contágio – cerca de 90 a 95% da população tem boa defesa contra a bactéria M. leprae.

A hanseníase sempre foi cercada por um grande estigma e preconceito, devido às deformidades que podem acontecer quando o tratamento não é feito precocemente e de modo adequado. É importante lembrar que é uma doença totalmente curável, e não há motivo para o preconceito. Vale ressaltar que imediatamente após iniciar o tratamento, que é gratuito e fornecido pelo Sistema Único de Saúde (SUS), com duração que pode variar entre seis e 12 meses, o paciente já não mais a transmite para as pessoas com quem convive, mesmo sendo da forma contagiosa.

A melhor forma de prevenir a doença é tratar todos os casos existentes, além da vigilância de familiares e pessoas próximas aos pacientes diagnosticados com hanseníase, pois eles têm maior risco de desenvolver a doença. Se a população em geral souber identificar os sinais e sintomas da hanseníase e buscar o diagnóstico mais precocemente possível terá mais chances de não desenvolver deformidades. Além disso, o tratamento poderá ser realizado em menor tempo.