A morte de um bebê de 1 ano e 3 meses em uma creche no Barreiro ainda é um mistério para os pais. O pequeno Raphael Lucca passou mal na terça-feira (27) enquanto estava no estabelecimento, e chegou a ser levado para uma unidade de saúde na região, mas acabou morrendo. Dois dias depois, nessa quinta-feira (30), o pai da criança registrou um boletim de ocorrência. 

Ele foi orientado a não falar com a imprensa sobre o assunto e o advogado dele, Fabrício Almeida, explicou que a família aguarda receber o laudo do IML e outros documentos para emitir um posicionamento. Até então, eles só têm em mãos o boletim de ocorrência e a certidão de óbito, onde consta como causa da morte asfixia por sufocação. Resta saber o que causou o problema. 

"Esperamos receber o laudo do IML o quanto antes para tomar as providências, inclusive, perante a Polícia Civil", esclareceu o advogado. Em breve conversa com a reportagem, o pai do bebê, Marcos Paulo Rocha, disse que ele e a mulher só querem respostas sobre a morte do filho.

A Polícia Civil informou que o boletim de ocorrência foi registrado nessa quinta a pedido de Marcos, e que testemunhas e envolvidos serão ouvidos para verificar se há elementos para a abertura de uma investigação, já que é preciso que haja indícios criminais para isso. 

 A reportagem não conseguiu contato com nenhum responsável pela creche. Um funcionário de um estabelecimento próximo ao local disse que a placa afixada na creche foi retirada nesta sexta-feira (30). 

Leia mais:
Após falta de vacina contra o sarampo na Grande BH, Minas recebe 146 mil doses extras da tríplice
Bebê mineira que fez o 1º transplante do Brasil para tratar doença rara de pele já apresenta melhora