Durante um encontro intitulado “A indústria minerária para o bem comum”, realizado em Roma, na Itália, nesta sexta-feira (3), o papa Francisco abençoou fotos de 270 pessoas que morreram ou desapareceram no rompimento da barragem da Mina do Córrego do Feijão, em Brumadinho, na Grande BH.

As imagens foram entregues ao pontífice por Dari Pereira, sobrevivente da tragédia ocorrida no dia 25 de janeiro, e pelo frei Rodrigo Péret, da Rede Igrejas e Mineração e Grupo de Trabalho de Mineração da Confederação Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB). Ao abençoar as fotos, o papa expressou sua solidariedade às famílias que perderam seus entes queridos e a todos os atingidos.

Em seu pronunciamento, o papa Francisco lembrou que a atividade minerária deve estar a serviço dos homens, e não o contrário, e existem dois princípios não negociáveis: a proteção e o bem-estar das pessoas envolvidas e o respeito por seus direitos humanos fundamentais.

“Somente a responsabilidade social da empresa não é suficiente. Devemos garantir que as atividades minerárias conduzam ao desenvolvimento humano integral de cada pessoa e de toda a comunidade”, afirmou o papa, recomendando ainda o limite do uso de recursos não renováveis, a moderação do consumo e a reciclagem e reutilização de rejeitos e resíduos.

Segundo o site Vaticano News, o encontro “A indústria minerária para o bem comum” foi organizado pelo Dicastério para o Desenvolvimento Humano Integral, que convidou em Roma representantes de diferentes religiões, responsáveis pelas empresas minerárias e representantes das comunidades em que essas mesmas empresas atuam.

Leia mais:
Vale processa empresa que assinou atestado de estabilidade para barragem em Brumadinho
Buscas em Brumadinho completam 100 dias neste sábado sem data para o fim
Vale pode ter de ressarcir danos patrimoniais sofridos em Barão de Cocais