O protocolo de atuação da Polícia Militar em dias de jogos de futebol é um sucesso. Essa afirmação foi feita pelo coronel Giovanne Gomes, comandante-geral da PMMG, durante coletiva de balanço da gestão da Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública (Sejusp) na manhã desta terça-feira (10).

Segundo ele, o protocolo já estabelecido para os policiais continuará norteando o trabalho de segurança nos próximos anos. O comandante afirmou ainda que a confusão generalizada provocada por muitos torcedores cruzeirenses no Mineirão e arredores, no último domingo (8), por causa do rebaixamento para a Série B já era esperada pela PM e o trabalho feito conseguiu minimizar casos de violência que poderiam ter sido maiores.

A partida entre Cruzeiro e Palmeiras teve de ser interrompida pelo juiz porque centenas de torcedores arrancaram cadeiras e estruturas do estádio e jogaram em direção ao campo. Do lado de fora, houve brigas de torcidas. Quatro pessoas foram presas e 32 pessoas receberam atendimento médico. Pelo menos, seis ônibus foram depredados.

“Cada evento é um evento. Depende dos times e da situação deles no campeonato. Nós trabalhamos de forma histórica, analisamos o momento, as circunstâncias que envolvem o evento, estudamos torcidas de outros estados com outras polícias”, afirmou o coronel. “Para o planejamento, temos um protocolo consolidado em Minas e posso te afirmar que é um protocolo de sucesso. Se compararmos com eventos de outros Estados e a dimensão do nosso Estado, veremos que é um sucesso”.

De acordo com o comandante, a prioridade da Polícia Militar durante as confusões de domingo foi a preservação da vida. “Dentro do estádio, é a segurança privada quem cuida da segurança patrimonial. Nossa preocupação é com a vida. Tanto que não priorizamos as prisões de envolvidos em brigas”, disse.

O coronel disse ainda que, na Esplanada do Mineirão, foi usado um “uso progressivo da força” com técnicas de dispersão com riscos menores de acidentes em aglomerações – especialmente o jato de água e as bombas de efeito moral.

A Minas Arena, responsável pela administração do Mineirão, se manifestou sobre o assunto. Afirmou que, durante a partida, contou “com 504 seguranças privados (um número que vai além do necessário para uma partida com esta estimativa de público) e todo o apoio da Polícia Militar. Em toda a operação, a equipe executou um trabalho digno e de proteção à integridade das pessoas que estavam presentes e, somente por isso, foi possível preservar vidas”.

Disse também que “as imagens das câmeras de segurança, somadas a vídeos que circulam em redes sociais, já foram mapeadas e entregues às autoridades competentes (Polícias Civil e Militar). É importante destacar que, absolutamente todos os últimos jogos no Mineirão, com registro de ocorrências, já tiveram pessoas identificadas, que deverão ser punidas de acordo com os termos da lei”.

Leia mais:
Estado vai lançar aplicativo para que mulheres denunciem violência pelo celular
Prejuízo causado por vândalos no Mineirão chega a R$ 300 mil; Cruzeiro terá que pagar
Vandalismo após jogo também afeta a população, que fica sem ônibus e policiamento