Para quem pretende fazer uma viagem tranquila nesta temporada de férias, dar atenção à saúde é item tão importante quanto definir roteiro, arrumar as malas ou comprar passagens. O motivo é simples: ameaças de doenças rondam turistas desprevenidos e podem frustrar o passeio.
 
Colocar o cartão de vacina em dia é um dos cuidados mais básicos, afirma a responsável pelo serviço de Medicina do Viajante do Hermes Pardini, Marilene Lucinda. E entre as imunizações mais exigidas está a da febre amarela. Países como México e Equador cobram a proteção e podem até proibir o desembarque de turistas vulneráveis.
 
Quem já tomou as duas doses, na infância ou vida adulta, está fora de perigo. Os demais precisam se apressar. Segundo a especialista, a vacina deve ser aplicada pelo menos dez dias antes da data da viagem para que o sistema imunológico tenha tempo de produzir os anticorpos.
 
Os que viajam para o Caribe devem estar vigilantes para o risco da hepatite A. Alguns casos da doença – transmitida, sobretudo, por meio de água ou comida contaminada com o vírus – foram registrados na região, segundo Marilene.
 
Mas se o destino for os Estados Unidos ou a Europa, o alerta é para a coqueluche, enfermidade que compromete o aparelho respiratório. “A bactéria tem circulado bastante por lá”, avisa a especialista. A vacina DTP protege contra a doença e, de quebra, também previne a difteria e o tétano.

A imunização contra febre amarela não é indicada para grávidas, crianças com até seis meses, pessoas alérgicas a ovo de galinha ou com alteração do quadro imunológico (tumores malignos, leucemia, Aids).
 
No Brasil
 

Dentro do Brasil, os viajantes também encontram ameaças. A maior delas é o Aedes aegypti, transmissor da dengue, febre chikungunya e do zika vírus – esse último apontado como causador do surto de casos de microcefalia no Nordeste. “Não temos vacina, só recomendamos o uso do repelente”, diz Marilene.
 
Quem vai para as praias do Nordeste também precisa ter cuidado com o sarampo, que voltou a circular com força em alguns estados. A proteção vem por meio da tríplice viral.
 
No exterior
 
Quando estiver em viagem para outro país e perceber alterações em seu estado de saúde, comunique à equipe de bordo  da aeronave ou navio, ou ainda ao responsável pelo transporte terrestre. Estas pessoas, geralmente, já têm orientações sobre como proceder em diversos tipos de problemas de saúde.
 
No caso de viagens prolongadas, evite bebidas alcoólicas, hidrate-se bem, procure caminhar e se exercitar o máximo possível. Pessoas suscetíveis a doenças associadas à trombose venosa, como as varizes, devem redobrar a atenção.
 
Check-Up
 
Passar por uma bateria de exames antes de viajar é outra dica para evitar dor de cabeça nas férias. O conselho, segundo o médico responsável pelos check-ups do Hermes Pardini, Ariovaldo Mendonça, vale principalmente para idosos, hipertensos, obesos e diabéticos, que estão mais propensos a problemas de saúde.
 
O indicado é consultar com profissionais de sete áreas: cardiologia, clínica médica, ginecologia, mastologia / urologia, oftalmologia, nutrição e fonoaudiologia. “No laboratório, fazemos os exames de uma vez e o resultado sai em uma semana”, sugere. O pacote pode ser personalizado conforme a necessidade do paciente. Ele ainda aconselha que quem faz uso frequente de remédios não leve na bagagem a quantidade exata de medicamento.
 
O ideal é carregar um pequeno estoque, além da prescrição médica.[Em outros países poderá haver fiscalização sanitária, por isso recomenda-se que os medicamentos sejam mantidos na caixa original.