Organizada por coletivos culturais do Aglomerado da Serra, a primeira Parada LGBTQI+ da Serra foi cancelada minutos antes do início previsto. A passeata estava programada para sair às 12h deste sábado (7) da praça do Cardoso, no bairro Nossa Senhora de Fátima, quando os organizadores foram notificados pela Polícia Militar do cancelamento. 

"A Organização solicitou à Prefeitura de BH, à Polícia Militar (PMMG) e ao Corpo de Bombeiros (CBMG) as devidas autorizações para a realização do evento, nos termos e prazos estabelecidos pela legislação. Apesar da solicitação ter sido efetuada com muita antecedência, a PMMG, de última hora, indeferiu o pedido", disseram os coletivos @bsurda, Baile Funk da Serra e Observatório das Quebradas, responsáveis pela organização.

Ainda segundo eles, os policiais que anunciaram o cancelamento do evento atribuíram a decisão à prefeitura. "A PMMG alegou que o indeferimento teria sido decisão da PBH e esta afirmou o contrário”. A Polícia Militar informou que o evento constava como indeferido no sistema do Centro Integrado de Operações de Belo Horizonte (COP-BH), de responsabilidade da Prefeitura de Belo Horizonte.

Já a PBH informou, por meio de nota, que o licenciamento foi negado após manifestação da Polícia Militar na última quinta-feira (5). "Segundo o documento emitido pela Policia Militar não haveria condições de garantir a segurança dos participantes em função do local escolhido para o evento e o volume de público esperado, considerando ainda a festividade da Independência". Ainda segundo a PBH, represetnantes da Diretoria LGBT da Secretaria Municipal de Assistência Social, Segurança Alimentar e Cidadania estiveram no local para ajudar na negociação e no acompanhamento da manifestação.

Homenagem a Lacraia

A I Parada LGBTQI+ da Serra havia sido anunciada em julho pelo produtor cultural Kdu dos Anjos e iria homenagear a funkeira Lacraia, que morreu em 2011, após se destacar como dançarina em parceria com MC Serginho.

"Nossa homenageada é a Funkeira Lacraia, que foi a primeira a utilizar a linguagem da favela como afirmação da sua identidade de gênero e orientação sexual 'subversivas'".

Em função do cancelamento, os organizadores anteciparam um evento que ocorreria após a Parada, para onde os participantes se deslocaram.

Os organizadores da Parada LGBTQI+ da Serra disseram ainda que irão solicitar autorização novamente na semana que vem.

 

Bandeira LGBTQ+ em jogos internos do Marista vira polêmica nas redes sociais

Diversidade, tolerância e muito futebol: 5ª edição da Champions Ligay chega a BH em novembro

Defensoria Pública do Estado do Rio critica censura na Bienal do Livro