O segundo reajuste do metrô no ano não agradou os passageiros de Belo Horizonte e Contagem. Nesta segunda-feira (8), primeiro dia útil após o novo aumento da tarifa, que subiu de R$ 2,40 para R$ 2,90, muitos usuários reclamaram.

"BH tem uma única linha, trens sucateados, escadas rolantes que não funcionam e o preço só sobe", lamentou uma passageira nas redes sociais. "Cadê o prefeito e o governador desse Estado para dar satisfação a população desses aumentos abusivos?", postou outro usuário. 

Este é o segundo de seis reajustes previstos até 7 de março de 2020, quando a tarifa vai atingir o patamar de R$ 4,25. No início do ano, o bilhete custava R$ 1,80. "A manifestação contra é que dia? Temos que nos movimentar", questionou um passageiro também pela web.

"A passagem vai aumentar gradativamente até R$ 4,25 mais ou menos e sem melhoria nenhuma, só lobby, especulação e fazer frente a outros "metrôs" e aos ônibus. Retrocesso e abuso que chama!", reclamou outra usuária.

Reajuste

Em nota, a Companhia Brasileira de Trens Urbanos (CBTU), que administra o metrô em BH, informou que os aumentos obedecem a “cumprimento à sentença proferida pela 15ª Vara da Justiça Federal em Minas Gerais".

Acrescentou que "o escalonamento tarifário foi definido após audiência de conciliação realizada em 24 de abril e começou a ser aplicado, em maio, pela CBTU, depois de 13 anos sem reajustes nas tarifas em Belo Horizonte".

Veja abaixo a escala de reajustes:

05/05/2019: R$ 2,40
07/07/2019: R$ 2,90
08/09/2019: R$ 3,40
03/11/2019: R$ 3,70
05/01/2020: R$ 4,00
07/03/2020: R$ 4,25


​Leia mais:
'Quem tem competência para explorar o metrô de BH é o Estado', diz secretário de Infraestrutura