Até abril deste ano, a Prefeitura de Belo Horizonte (PBH) pretende concluir a substituição de todas as 1.280 placas de sinalização do Parque Municipal Américo Renné Giannetti, localizado no Centro da capital. No total, foram investidos R$ 1,1 milhão no trabalho, sendo sendo R$ 1 milhão em recursos do Ministério do Turismo e o restante da prefeitura.

“A nova sinalização irá atender as necessidades de identificação dos espaços locais e das espécies da biodiversidade existente no parque, além de divulgar informações gerais sobre educação ambiental e regras de conduta para uma boa convivência e preservação da natureza”, destaca a presidente da Fundação de Parques Municipais, Karine Paiva.

As novas placas vão identificar os atrativos históricos, naturais e de lazer, como os monumentos, lagoas, estruturas (quadras, brinquedos, ciclovia, pista de caminhada) e o mapa de localização do local, além de exemplares da fauna e flora.

De acordo com Marina Silva Seabra, uma das arquitetas da FPM, “as características das placas como cores e formatos permitem a integração do material com o meio ambiente sem poluir visualmente o espaço”.

As placas são confeccionadas em acrílico branco, aço carbonado e laminado melamínico (fórmica) de alta pressão, sendo resistentes ao tempo e a vandalismo. Há ainda previsão de informações em língua inglesa em algumas placas para melhor orientar os turistas estrangeiros.

 

placa de sinalização do parque municipal

Histórico

O Parque Municipal Américo Renné Giannetti foi inaugurado em setembro de 1897, antes mesmo da fundação de BH. O espaço é o patrimônio ambiental mais antigo da capital mineira. Ele foi projetado pelo arquiteto paisagista Paul Villon e, atualmente, as ruas do parque são chamadas de alamedas por possuírem árvores de ambos os lados.