A Prefeitura de Belo Horizonte deu início, efetivamente, nesta segunda-feira (30), ao trabalho de manejo das capivaras que vivem na região da Pampulha. As equipes fizeram a dedetização e a limpeza externa dos contêiners onde os animais serão esterilizados, além da capina no entorno no Parque Ecológico. 

Nos próximos dias, este trabalho será feito também na parte interna da estrutura e as equipes começarão a trabalhar no processo de ceva, que é a captura das capivaras. Para isso, uma espécie de "cercadinho" é montado, onde são colocados alimentos para atrair os animais e, depois, capturá-los.

O próximo passo é esterilizar e aplicar carrapaticida nas capivaras para, somente depois, soltá-las novamente no parque. Segundo a Secretaria Municipal de Meio Ambiente, a empresa contratada tem o prazo de um ano para finalizar todo o processo.

Mas, cada uma das cerca de 100 capivaras que vivem na região, tem até 72 horas para passar pelo processo. Quanto menos tempo durar todo o procedimento, mais rápida é a recuperação dos animais, conforme informou a Secretaria.   

A área do Parque Ecológico onde vivem os bichos também passará por aplicação de carrapaticidas e capina. Estima-se que esta primeira fase do projeto deve custar R$ 500 mil, verba esta vinda de medidas compensatórias ambientais. 

o Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e dos Recursos Renováveis (Ibama) emitiria, ainda nesta segunda, o termo de referência e a licença para monitoramento e controle de animais silvestres para o plano da prefeitura, mas até o fechamento da reportagem, não conseguimos falar com o órgão para confirmar se a autorização foi liberada.  

Leia mais: 
Manejo de capivaras começa efetivamente na segunda-feira
Manejo das capivaras da Pampulha terá início nesta sexta
Laudo confirma morte por febre maculosa de morador de Contagem; segundo caso é investigado
Mais uma morte por febre maculosa é confirmada em Minas, a segunda nesta semana