O Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) negou, nesta sexta (22), o pedido de liminar das empresas de transporte coletivo de Belo Horizonte que tenta um aumento de 10,5% nas tarifas de ônibus da capital. Segundo as empresas, o percentual leva em consideração um estudo que analisou o salário dos motoristas e o aumento do preço do combustível.

Na decisão, o juiz afirma que o prefeito Alexandre Kalil (PHS) tem até o dia 25 de dezembro para fechar a auditoria e, por isso, não seria pertinente conceder o aumento agora.

O Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros (Setra-BH) afirma que vai esperar que o prefeito se manifeste para que o pedido seja novamente julgado. No entendimento do Setra-BH, como a PBH ainda pode se manifestar, o juiz achou melhor esperar para que, depois disso, possa julgar o mérito da questão.   

A BHTrans e a Prefeitura de Belo Horizonte disseram que não vão se manifestar sobre a decisão do juiz. 

Na quinta-feira (21), os consórcios do sistema de transporte público requisitaram um mandado de segurança pedindo que as autoridades fossem obrigadas a aumentar o valor das passagens. Desde o início da semana eles estão pleiteando o aumento das tarifas, em torno de 10%, mas, na terça-feira (19), o prefeito Alexandre Kalil disse que não haverá reajuste até ser feita uma auditoria no setor. 

Leia mais: 
Kalil admite que alta das tarifas de ônibus é necessária e promete pressa na auditoria
Empresas de ônibus em BH podem parar caso passagens não sejam reajustadas
Kalil garante que não vai reajustar passagem de ônibus antes de auditoria no sistema