O pedreiro de 49 anos, suspeito de ter matado a ex-companheira a facadas no último domingo (11), pode ter premeditado o crime, conforme a delegada que coordena os trabalhos de investigação, Adriana das Neves Rosa. 

"Em depoimento, ele disse que a mulher - Alessandra Cristiane Solano, de 46 - teria ido à casa dele, que é no mesmo lote, e o agredido verbal e fisicamente. Depois, ele foi à casa da vítima, com uma faca, e a matou", contou a policial.

Contra o suspeito, havia vários registros policiais provocados por discussões, sendo a última delas uma ocorrência de 24 de julho deste ano. Ainda segundo a PC, caminhava um procedimento de Medida Protetiva, mas a vítima manifestou formalmente o desinteresse em prosseguir.

Ainda segundo a polícia, o casal havia se separado há pelo menos um ano, após ter vivido durante duas décadas e meia junto.

Flagrante

Desde que o crime foi descoberto, a PM montou uma operação para localizar e prender o suspeito. No fim desta manhã, ele foi encontrado na avenida Brasília, no bairro São Benedito. "Ele estava tentando fugir, mas como não tinha dinheiro, não conseguiu ir muito longe", contou o sargento Estevão, do 35º Batalhão.

Aos militares, o suspeito teria confessado que desrespeitou a medida protetiva e matou a mulher. Ele está sendo levado para a delegacia de homicídios da cidade, onde a ocorrência será registrada.

O homem ficará à disposição da Justiça.

(*) Com Renata Evangelista

Leia mais:
Homem confessa que matou a ex-companheira a facadas em Santa Luzia