Fantasias, maquiagens e apetrechos carnavalescos. Ao escolher o que usar nos desfiles de blocos, o folião deve estar atento a muito mais do que um belo look. Os cuidados vão além e, alertam especialistas, passam pelos produtos a serem aplicados no corpo, principalmente quando se trata de crianças. 

Até a diversão com o spray de espuma, tão comum nesta época, pode causar muitos transtornos e até acabar com o lazer antes da hora. Aliás, nem é preciso ter contato direto com esse artigo: apenas o vapor no ar desencadeia reações alérgicas.

De acordo com o médico Lucas Miranda, da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD), a indisposição ocorre por causa das substâncias tóxicas presentes no material. Se atingir os olhos, é possível parar no hospital com um quadro de conjuntivite.

O especialista destaca que esse tipo de produto pode conter, na composição, elementos como gás propelente, usado em aerossóis, e dietanolamida de ácido graxo, que danifica o cabelo e o couro cabeludo. “Além de inibidores de corrosão, utilizados na indústria da construção civil para proteger estruturas metálicas”.

Caso a espuma entre em contato com os olhos, a pessoa deve retirá-la com água em abundância. O mesmo procedimento vale em caso de irritação em contato com a pele. “Crianças devem ficar longe desses materiais, por serem mais sensíveis e correrem o risco de inalar ou ingerir as substâncias”, observa Lucas Miranda.

A maquiagem obstrui poros, aumentando a chance de acne cosmética e outras alergias, destaca o dermatologista Lucas Miranda

Maquiagem

Com maior quantidade de substâncias químicas, cosméticos de adultos não devem ser usados por menores de idade. “Independentemente da idade da pessoa, a maquiagem precisa ser avaliada pelo dermatologista caso a caso. Em alguns indivíduos, ela pode causar coceiras, vermelhidão e até sérias alergias”. 

Os efeitos nocivos são potencializados em crianças. O quadro acontece porque a derme delas está em constante transformação. O médico Lucas destaca que, assim como a produção hormonal infantil é mais baixa, o sistema de defesa desse público não está tão maduro.

Caso os pais permitam o uso, o ideal é usar produtos hipoalergênicos, indicados para os mais novos e removíveis com água.

Fantasias

E não para por aí. Até mesmo a fantasia exige atenção. A higienização de vestimenta alugada é ordem para qualquer pessoa.

Agora, se a roupa for de tecido que geralmente provoca alergia no folião, nem lavá-la antes do uso vai evitar problemas, destaca o dermatologista.

Leia Mais:

Pernas bem cuidadas podem evitar que a folia termine antes do previsto

No pique pra folia: dieta equilibrada garante energia no Carnaval e ajuda a regenerar o corpo

Pra pôr na pochete: folião deve caprichar no 'kit de salvamento' e escolher calçados confortáveis