A Polícia Federal (PF) dá continuidade aos trabalhos de perícia, nesta terça-feira (2), nos sítios em Varginha, no Sul do Estado, onde ocorreu a operação que terminou na morte de 26 homens, que seriam integrantes de uma quadrilha de assaltantes de banco. A ação conjunta entre as polícias Militar e Rodoviária Federal foi deflagrada na madrugada do último domingo (31).

Nas atividades forenses, a PF irá analisar e recolher veículos e armamentos apreendidos, assim como analisar os imóveis onde os confrontos foram registrados. Os federais estão nos locais desde a segunda-feira (1).

A polícia acredita que o bando executado em Varginha faça parte da mesma quadrilha responsável pelos ataques violentos nas cidades de Araçatuba (SP), no final de agosto deste ano, assim como em Criciúma (SC), em dezembro passado, e Uberaba (MG), em 2017. Há também a hipótese de que a quadrilha tenha envolvimento com grupos criminosos como o Primeiro Comando da Capital (PCC), que se beneficiaria do movimento chamado de “Novo Cangaço”.

Leia Mais:
Polícia Civil identifica mais sete suspeitos mortos durante ação policial em Varginha
O que é 'novo cangaço'? Entenda o termo usado na ofensiva que deixou 26 mortos em Varginha
Perícia suspeita que um dos mortos em operação no Sul de Minas não teria relação com o crime