Uma pesquisa realizada pelo Sindicato de Lojistas de Belo Horizonte (SindilojasBH), e divulgada nesta segunda-feira (30), avaliou que a campanha da Black Friday, ocorrida na última semana, não foi positiva para 64,9% dos comerciantes entrevistados e que participaram do projeto. A expectativa era de que as promoções ajudassem na recuperação das vendas perdidas nos últimos meses, causadas pelo fechamento das lojas durante a pandemia do novo coronavírus.

Em comparação com o mesmo período de 2019, 71,72% dos lojistas, que possuem lojas físicas, avaliaram que as vendas foram piores, com queda superior a 20% para 35,36% deles. Segundo o presidente do órgão, Nadim Donato, apenas o comércio on-line teve sucesso durante as promoções. “As vendas foram muito ruins para o comércio, principalmente neste momento em que precisávamos recuperar parte desses cinco meses que ficamos fechados. O digital melhorou com relação ao ano passado, com cerca de 20, 25% de crescimento. Porém, todas as lojas físicas, sejam elas grandes redes, pequenas ou médias, tiveram queda no faturamento de, no mínimo, 20% a 45%.

Os números são ainda mais preocupantes nesta época, em que as lojas se preparam para as vendas de fim de ano. “Isso projeta uma expectativa negativa para o Natal e nos preocupa e muito para o primeiro semestre de 2021”, concluiu.

Entre os entrevistados, apenas 4,04% tiveram um aumento de mais de 20% nas vendas, e 22,7% afirmaram terem recuperado os prejuízos da pandemia durante três dias de Black Friday. Outros 13,04% dos comerciantes não participaram da campanha. Os principais segmentos entrevistados foram os de vestuário masculino/feminino, papelarias e livrarias, móveis e decorações, cama, mesa e banho, óticas, joias e semijoias, calçados e acessórios, perfumaria e cosméticos, eletrodomésticos e brinquedos.

Leia mais:
Black Friday: empresas apostam no cashback para atrair clientes
Governo detalha auxílio emergencial; primeira parcela (Ciclo 5) será paga a partir de 30 de novembro