A Polícia Federal deflagrou, na manhã desta terça-feira (1º), uma operação de combate a desvio da Caixa Econômica Federal. Um funcionário que ocupou cargo de gerente em agências da região Sul de Minas é o principal alvo da ação, denominada como Praefectus. Dentre os crimes investigados, peculato, inserção de dados falsos e formação de quadrilha. 

Durante a investigação, a corporação identificou que, entre 2016 e 2017, o suspeito teria, com o auxílio de outras pessoas que não trabalhavam no banco, criado 23 falsos empréstimos em nome de correntistas. Em alguns casos, os empréstimos se destinavam à compra de veículos, registrados em nome de terceiros.

“Por meio da elaboração de documentos com dados falsos e inserção de informações em sistemas privativos da Caixa, o principal investigado desviou e apropriou-se de diversos valores, causando prejuízo aproximado de R$ 100 mil aos cofres do banco”, informou a Polícia Federal.

Dois mandados de busca e apreensão foram cumpridos nas cidades de Pouso Alegre e Ouro Fino. Caso sejam condenados, os suspeitos podem cumprir penas que, somadas, chegam a 27 anos de cadeia.

Por nota, a Caixa informou que atua em conjunto com a Polícia Federal e demais órgãos de segurança pública na operação e que o ocorrido foi registrado em gestões passadas. "Informações sobre eventos criminosos em suas unidades são repassadas exclusivamente às autoridades policiais, e ratifica que coopera integralmente com as investigações dos órgãos competentes", diz o comunicado. 

Leia mais:
Polícia Civil investiga morte de PM após suposto consumo de cerveja contaminada em Juiz de Fora
Mãe de bebê encontrado morto em rio no Sul de Minas é presa pela PM
Polícia busca 23 presos foragidos neste domingo de presídio no Sul de Minas