A prefeitura irá liberar mais pistas exclusivas de ônibus para o tráfego de táxis em Belo Horizonte. A partir da próxima segunda-feira, as faixas nas avenidas Abraão Caram, Coronel Oscar Paschoal e Catalão, no entorno do estádio Mineirão, na região da Pampulha, poderão ser acessadas pelos permissionários, desde que estejam levando passageiros.

A medida visa deixar as viagens mais rápidas, informou o prefeito Alexandre Kalil. Atualmente, a autorização é válida para as pistas do Move das avenidas Antônio Carlos, Cristiano Machado e Pedro I.

Taxistas de Contagem, Sabará e Ibirité, na região metropolitana, também serão beneficiados, uma vez que têm convênio com a capital mineira. O anúncio foi feito ontem durante a Feira Táxi 2018, promovida pelo Sindicato Intermunicipal dos Condutores Autônomos de Minas Gerais (Sincavir).

Presidente do órgão, Avelino Moreira de Araújo aprovou a medida. “Acessar essas vias nos faz ganhar tempo, oferecendo mais comodidade ao passageiro. Sabemos que as mudanças acontecem aos poucos, e vamos pleitear mais trechos”, garantiu.

Para circular nos locais liberados, no entanto, o motorista precisa obedecer a algumas regras. Além de estar com passageiro, é obrigatório trafegar na faixa da direita, mantendo os faróis acesos e o eletrovisor (placa luminosa em cima do veículo) ligado. O condutor está proibido de realizar embarque ou desembarque ao longo das pistas.

Desde o ano passado, os taxistas podem circular nas pistas exclusivas do Move das avenidas Antônio Carlos, Cristiano Machado e Pedro I

Mais novidades

Outra novidade anunciada pelo chefe do Executivo foi a autorização para que táxis com motor 1.4 instalem gás natural nos carros, o que não era permitido. “Conseguimos um abono de R$ 2 mil na Gasmig (Companhia de Gás de Minas Gerais) para o permissionário interessado na conversão”, diz Avelino.

Já o sistema de biometria, que possibilitará a identificação do taxista e a situação do automóvel, foi adiado. A tecnologia deveria ser implantada até dezembro, mas agora só em 2019. “Temos apenas um fornecedor”, justificou o presidente da BHTrans, Célio Freitas Bouzada.

A regulamentação dos aplicativos de transporte de passageiros também foi comentada por Alexandre Kalil durante o evento. Segundo ele, é preciso que o projeto que disciplina a atuação das plataformas seja aprovado pela Câmara Municipal para que haja maior controle do serviço na cidade.