Acionados pelo aplicativo Whatsapp, a Polícia Militar deteve em flagrante um homem de 43 anos que invadiu uma casa no bairro Mangabeiras, região Centro-Sul de Belo Horizonte. O caso foi registrado na tarde desta sexta-feira (27) na rua Professor Lair Remusat Renno.
 
Conforme a corporação, ao notar que um suspeito estava arrombando o portão do imóvel, a proprietária da residência acionou à PM enviando uma mensagem pelo celular. Além da vítima, vizinhos da mulher que também presenciaram a ação criminosa ligaram para o 190 reforçando o pedido.
 
Segundo o capital Jackson, do 22º Batalhão, aproximadamente 200 moradores e diversos militares fazem parte da rede de vizinhos protegidos do bairro. Com o alerta da vítima, rapidamente os policias chegaram à casa e flagraram o homem no quintal do imóvel.
 
De acordo com o cabo Jurandir, o suspeito aparenta ter problemas psicológicos. Ele alegou que estava sendo perseguido por um homem armado e invadiu o imóvel para se salvar. Por apresentar sinais de esquizofrenia, o suspeito foi levado para a Hospital Raul Soares, onde será avaliado.
 
Posteriormente, a ocorrência será registrada na Central de Flagrantes (Ceflan).
 
Tecnologia
 
Moradores de bairros nobres de Belo Horizonte deixaram ações individuais de proteção de lado e criaram, juntos, novas formas de se resguardar contra a segurança. De aplicativos para celular a modernos aparelhos radiocomunicadores, parte da população tem conseguido barrar a ação de bandidos em algumas regiões. A estratégia é acompanhada de perto pela Polícia Militar, que apoia as iniciativas.
 
A grande vantagem da iniciativa, segundo o major Olímpio Garcia, subcomandante do 22º Batalhão, é que o serviço também está integrado a um celular da Polícia Militar, que atua imediatamente quando necessário. “O envolvimento comunitário é fundamental para reduzir os índices de ocorrências. Percebemos que a tecnologia é muito efetiva para convocar a população a interagir com a PM. Juntos, podemos buscar uma solução”.