A Polícia Militar (PM) informou, na manhã desta quarta-feira (21), que foi impedida de realizar a segurança do jogo entre Atlético e Boca Juniors, partida de volta das oitavas de final da Copa Libertadores. Segundo os militares, a dispensa ocorreu por parte da Conmebol, por meio do delegado da partida.

De acordo com as informações da PM, o efetivo já estava no Mineirão quando foi informado que não poderia permanecer. A confederação alegou que somente pessoas com testes negativos para a Covid-19 poderiam ficar no local.

O delegado da Conmebol informou, então, que a segurança interna do estádio seria feita por seguranças privados, contratados pelo Atlético.

“Diante da solicitação, o comandante responsável pelo efetivo alertou sobre a possibilidade de confronto, dada a rivalidade da partida e situações anteriores. Mas o delegado da confederação reafirmou que eles não deveriam ficar no local”, disse a PM. Com isso, os militares foram encaminhados à área externa.

Após o jogo, jogadores e integrantes da comissão técnica do Boca foram protagonistas de uma confusão generalizada na região de acesso aos vestiários do Mineirão. Revoltados com a arbitragem da partida, eles teriam jogado objetos como garrafas, gradis, lixeiras e bebedouros contra seguranças do Atlético e funcionários da Minas Arena, empresa que administra o estádio, que tentaram impedir a briga.

Com o início da confusão, a PM foi chamada pelos seguranças e utilizou spray de pimenta para dispersar a briga.

Veja imagens da briga:

Leia mais:
Delegação do Boca Juniors passa a noite em delegacia de BH após briga no Mineirão
Na concentração da Seleção, Arana 'sofre' em classificação do Galo: 'morri, mas passo bem'
Cuca cita clima tenso contra o Boca, minimiza placar em branco e crava: ‘o importante é passar’