A Polícia Civil indiciou Jairo Lopes, 42 anos, por homicídio, estupro de vulnerável e vilipêndio de cadáver. Jairo confessou ter matado, estuprado e violado o cadáver de uma menina de 10 anos em Buenópolis, região Central de Minas. O caso aconteceu em junho deste ano.

As investigações, juntamente aos laudos confirmaram Jairo como autor do bárbaro crime. Foi deferida, também, a prisão preventiva do suspeito, que já se encontra no sistema prisional.

Inicialmente, Jairo negou ter cometido o crime ao ser preso. Contudo, acabou confessando. Segundo a Polícia Civil, o tempo todo ele foi vago quanto a possível motivação do crime e a Polícia Civil não descarta nenhuma linha de investigação. Jairo era vizinho da vítima e já teria abordado a criança em data anterior aos delitos. Ele estava na cidade há cerca de dois meses com o nome falso de "Adalto". O suspeito é foragido da Justiça e já responde pelos crimes de estupro, homicídio e roubo.

Ele foi encontrado pela Polícia Militar (PM) enquanto estava escondido em um matagal da Zona Rural da cidade de Bocaiuva, também na Região Central. A prisão só foi possível porque trabalhadores avistaram o suspeito andando pelo matagal, o cercaram e chamaram a polícia. Alguns moradores queriam agredi-lo, porém foram contidos pelos policiais.

Leia mais

Para delegado, intenção inicial de maníaco em Buenópolis era estuprar a garota
Suspeito de estuprar e arrancar coração de menina de 10 anos é preso na Região Central de Minas
Menina de 10 anos é estuprada e morta em Buenópolis (MG)


Relembre

O corpo da criança foi encontrado em uma estrada próxima à fazenda Bom Jardim, na zona rural da cidade. Ela estava desaparecida desde a última quarta (1º), quando foi vista a caminho da escola. No dia seguinte, o suspeito não foi mais visto, sendo considerado foragido.

A menina apresentava sinais de violência sexual e física. Havia uma perfuração no estômago e o coração foi arrancado. O corpo foi examinado no Instituto Médico Legal (IML) de Belo Horizonte e material genético foi coletado.

Apontado pela Polícia Civil (PC) como principal suspeito do caso, Jairo, que usava nome falso, é foragido da Justiça de Montes Claros, onde responde por homicídio, estupro e roubo. Ele era vizinho da vítima e possui uma tatuagem no peito do lado esquerdo e uma outra no braço direito.