O gabinete do vereador Ronaldo Batista de Morais (PSC), na Câmara Municipal de Belo Horizonte (CMBH), foi alvo de mandados de busca e apreensão na manhã desta sexta-feira (21). De acordo com a Polícia Civil, a ação integra as investigações de um homicídio. O inquérito está sob segredo de Justiça.

Pelo menos dez computadores foram levados. Em nota, a assessoria do parlamentar disse que a operação não tem o político como alvo principal. O texto diz que ele "está tranquilo quanto à apuração dos fatos e contribuindo com as investigações".

Ainda segundo a Polícia Civil, a operação pretende cumprir 21 mandados de busca e apreensão e 8 de prisão na capital e na região metropolitana. Duzentos agentes e 50 viaturas foram mobilizados na operação.

Homicídio

Conforme apurou a reportagem, a investigação tem como ponto de partida o assassinato de Hamilton Dias de Moura, vereador de Funilândia, em julho deste ano, em Belo Horizonte. Ele foi dirigente do Sindicato dos Motoristas e Empregados em Empresas de Transportes de Cargas de BH e Região (STTRBH).

A assessoria de Ronaldo Batista de Morais informou que, como os dois faziam parte de grupos opostos dentro do sindicato, é natural que "ele seria indicado por qualquer coisa". O vereador de BH foi presidente do STTRBH até 2019, quando se desligou para assumir a vaga do ex-vereador Cláudio Duarte, que teve mandato cassado em agosto por suspeita de participação em esquema de "rachadinha".

Leia também:
Mortes por Covid-19 em Minas passam de 4,6 mil; Estado confirmou 120 óbitos nas últimas 24 horas
Self-service está proibido nos restaurantes de BH; confira as regras para a reabertura
Defesa Civil emite alerta para frio intenso em BH nos próximos dias