A Polícia Civil identificou, nesta quarta-feira (25), mais uma vítima do rompimento da barragem de Córrego do Feijão, em Brumadinho, na Região Metropolitana de Belo Horizonte. 

Juliana Creizimar de Resende Silva, de 33 anos, tinha acabado de ter gêmeos quando morreu na tragédia da Vale. O marido dela, Dennis Silva, também foi uma das vítimas, mas identificado em fevereiro de 2019. Os dois eram funcionários da mineradora. Juliana era analista operacional e Dennis atuava como técnico em planejamento e controle.

"A Juliana, ela residia em Brumadinho. Ela era uma pessoa muito querida da comunidade. A gente imagina o peso dessa tragédia familiar, dois filhos gêmeos de colo, o pai faleceu, a mãe faleceu. A gente tem uma família agora vivendo um luto relacionado com uma longa espera de uma maneira muito trágica", ponderou o médico legista Ricardo Araújo.

Ainda de acordo com Araújo, a identificação foi feita pela arcada dentária da vítima. "A gente não pode falar em alegria em momento nenhum, a gente está falando da identificação de uma tragédia. Mas a gente traz com serenidade e esperança de conforto esta devolução da identidade, de devolver o nome e poder em algum momento devolver para o familiar um pouco de dignidade", declarou Ricardo Araújo. 

Identificação Vítimas Brumadinho

Ao todo, 261 pessoas já foram identificadas e nove vítimas continuam desaparecidas.

O corpo foi localizado pelos bombeiros entre os rejeitos de minério nas áreas de buscas nesta terça-feira (24), após dois anos e sete meses de trabalho dos militares no local.

Buscas Brumadinho

Local onde o corpo de Juliana Creizimar de Resende Silva foi encontrado