Mais uma vítima do rompimento da barragem da Vale na mina do Córrego do Feijão, em Brumadinho, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, foi identificada nesta quinta-feira (27). 

Segundo a Polícia Civil, Renato Eustáquio de Sousa, de 34 anos, era soldador na mineradora. A identificação foi feita através de um fragmento do fêmur encontrado em 14 de janeiro deste ano. Após a localização, ele foi encaminhado ao Instituto Médico-Legal (IML), na capital mineira, onde passou por triagem. No dia 28 de janeiro, foi enviado para o laboratório de DNA do Instituto de Criminalística.

Renato Eustáquio de Sousa

"Tanto o IML quanto o Instituto de Criminalística vêm trabalhando diuturnamente buscando a solução desta questão de identificação de todas as vítimas. Sabemos da importância, o que isso significa para as famílias, e estamos empenhados nisso", disse o superintendente de Polícia Técnico-Científica, Thales Bittencourt de Barcelos.

Nas redes sociais, o governador Romeu Zema (Novo) disse que a identificação traz um alento para a família. "Foi identificada hoje mais uma joia. Que Deus conforte os familiares. Não vamos perder as esperanças", publicou. 

O número de vítimas subiu para 260 e outras dez continuam desaparecidas.

Conforme o Corpo de Bombeiros, até março de 2021, 3.913 militares já atuaram, em revezamento, em atividades de campo, coordenação e de saúde em Brumadinho. As buscas tinham sido interrompidas em março por causa da pandemia, mas foram retomadas no dia 12 de maio.

"Atualmente, o CBMMG se prepara para a implementação da oitava fase de buscas, que contará com tecnologia para a aceleração do processo de vistoria de rejeito, doutrina advinda das análises dos especialistas bombeiros militares e que aumentará ainda mais a possibilidade de se localizar e identificar as 10 joias restantes. Dessa forma, o Corpo de Bombeiros Militar de Minas Gerais segue comprometido e em busca dos desaparecidos pelo direito de encerrar um ciclo com a dignidade que merecem".

 

Buscas Brumadinho

Leia Mais:
Nova lei amplia penas por crimes de furto e estelionato praticados com uso de celulares
STJ suspende processo que pedia extinção da Fundação Renova