A Polícia Civil abriu um inquérito para investigar um suposto agente da corporação que matou a tiros uma cadela vigia de um depósito de gás, no bairro Santa Amélia, na região da Pampulha, em Belo Horizonte. O suposto policial e outros envolvidos serão ouvidos na próxima sexta-feira (13) e, até lá, a corporação não irá se pronunciar sobre o caso.
 
O episódio teria ocorrido no início da noite da última sexta-feira (6), na avenida Doutor Jefferson de Oliveira. Segundo informações que constam no Boletim de Ocorrência, o dono de um depósito de gás deixou a cadela fugir do local ao abrir o portão para realizar entregas.
 
O animal correu em direção a uma mulher que estava na calçada, do outro lado da via. O animal foi contido pelo empresário antes de qualquer agressão e colocada de volta no depósito de gás. Assustada e inconformada com a situação, a mulher começou a xingar o homem, que pediu desculpas e saiu para fazer as entregas.
 
Ainda conforme o B.O., momentos após retornar para o depósito, o marido da mulher, que seria um policial civil, chegou em um Fiat Pálio de cor vinho. Ele começou a xingar e ameaçar de morte o dono do depósito, devido a fuga da cadela. O marido teria gritado: “mato você e esse cachorro”. Em seguida, o suposto agente sacou uma arma, disparou contra o bicho e depois fugiu.
 
Testemunhas anotaram a placa do veículo e viram que o registro estava em nome do suposto policial civil. Os policiais militares, que atenderam o caso, chegaram a ir até o endereço do atirador, mas não havia ninguém na residência. A cadela chegou a ser levada para uma clínica veterinária, mas não resistiu. A ocorrência foi encerrada na 8ª Delegacia de Venda Nova.