A Polícia Civil (PC) começou a ouvir nesta quarta-feira (25) testemunhas do tiroteio protagonizado por quadrilhas rivais que deixou nove feridos na Pedreira Prado Lopes, região Noroeste de Belo Horizonte. O caso está sendo investigado pelo delegado Daniel Alves Amâncio, da 4ª Delegacia Noroeste, com o acompanhamento da delegada regional Ana Paula Fernandes. O crime aconteceu na última segunda-feira (23). 
 
Todas as vítimas são do sexo masculino e têm idade entre 19 e 57 anos. A Polícia Civil e a Polícia Militar, porém, não informaram se todas as vítimas são membros das gangues e suspeitos de participar do confronto. A PC argumentou que fez algumas apurações sobre o crime, mas não irá divulgá-las para não atrapalhar as investigações.
 
Quatro vítimas foram levadas para o Hospital de Pronto-Socorro João XXIII. Segundo o hospital, todos estão em estado estável, sendo que dois estão na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) e os outros dois na enfermaria. 
 
Já as outras cinco vítimas estão no Hospital Odilon Behrens. Dois homens tiveram alta no mesmo dia, outros dois estão em estado estável na enfermaria e um está em estado grave no Centro de Terapia Intensiva (CTI) do hospital. Esse último teve várias perfurações pelo corpo devido aos tiros que levou e passou por uma cirurgia que durou mais de oito horas. 
 
Relembre o caso
 
Pelo menos nove pessoas foram baleadas no fim da tarde da segunda-feira (23), no Aglomerado Pedreira Prado Lopes (PPL), região Noroeste Belo Horizonte. As vítimas estavam em um bar na região do Buraco Quente. Segundo a Polícia Militar (PM), a suspeita é o crime foi cometido durante um confronto entre quadrilhas rivais. 
 
Ainda de acordo com a PM, dois dos autores dos disparos estavam com uma pistola cada um e um terceiro estava com uma submetralhadora. Esse último estaria em um Fiat Palio de cor prata no momento do confronto.