A Polícia Civil prendeu em flagrante dois integrantes de uma organização criminosa apontados como responsáveis por incêndios a cegonheiras no estado. Os atentados aconteceram em Sete Lagoas, onde um veículo foi incendiado, e em Curvelo, onde os criminosos colocaram fogo em outros três veículos. Nos dois ataques, mais de 40 veículos foram destruídos pelo fogo. Ninguém ficou ferido.

As prisões ocorreram em um posto na BR-381, altura da cidade de Oliveira, no Centro-Oeste do Estadoo. Eles são suspeitos de provocar incêndios, na madrugada dessa quarta-feira (4), em três cegonheiras carregadas com veículos de uma montadora, na MGC-135, em Curvelo, na região Central.

As investigações começaram na Delegacia Especializada em Investigação e Repressão ao Roubo a Banco, do Departamento Estadual de Investigação de Crimes Contra o Patrimônio (Depatri), há um mês, quando o primeiro ataque ocorreu. O Alvo foi uma cegonheira de uma empresa que foi incendiada em Goiana, no estado de Pernambuco. 

Cegonheiras Incendidas

Segundo informações do setor de inteligência da PCMG, as investigações apontaram que os envolvidos teriam ligação com uma organização criminosa de São Paulo e os suspeitos e o veículo em que eles estavam foram identificados.

A partir daí, com o apoio da Polícia Rodoviária Federal (PRF), os agentes seguiram em busca dos investigados, que foram presos no estacionamento do posto na BR-381. Os autores, ambos de 39 anos, são do estado de São Paulo, e considerados de alta periculosidade pelo envolvimento com grupos criminosos. Eles têm passagens pela polícia e processos judiciais em andamento.

Segundo Rafael Horácio, delegado responsável pelo caso, “acredita-se que os suspeitos vieram para Minas Gerais exclusivamente para cometer os crimes. A investigação aponta que a motivação seria enfraquecer a empresa que locava os caminhões, para que a organização criminosa pudesse atuar neste ramo mercadológico e transportar armas e drogas nos veículos, livremente, em todo o território nacional”, explica.

Os suspeitos foram encaminhados ao sistema prisional e as investigações continuam para identificar e prender os demais envolvidos.