A Polícia Civil prendeu em flagrante um homem de 47 anos por falsificação de documento público em Belo Horizonte. O suspeito, apresentado nesta segunda-feira (3), é contador e dono do escritório de contabilidade onde eram produzidas as imitações. O local, que funcionava há 15 anos na capital, foi fechado pela polícia. Em 2009, o escritório também havia sido embargado pela Polícia Federal.

Os serviços variavam de R$ 150 a R$ 500, dependendo da complexidade e volume dos pedidos. Ainda não foi possível calcular o montante do prejuízo à população, uma vez que os documentos falsos produzidos seriam utilizados em várias outras ocorrências de estelionato na capital.

Na ação, que aconteceu na última quinta-feira (29), ainda foram apreendidos vários documentos em branco, como carteiras de identidade, carteira nacional de habilitação e documento de veículos, além de selos de autenticação de cartório. Além disso, vários clientes, suspeitos de estelionato, foram conduzidos para a delegacia.

De acordo com o delegado responsável pelas investigações, Rodrigo Damiano, o local funcionava como um verdadeiro escritório do crime. “O escritório era frequentado por vários suspeitos de estelionato em Belo Horizonte, que ali montavam documentos para a prática dos mais variados golpes”, explicou. Ainda segundo o delegado, os clientes do escritório apenas deixavam uma fotografia com o contador, que possuía acesso ilegal a diversos sistemas e selecionava um nome limpo para confeccionar o documento.